06:45 16 Agosto 2018
Ouvir Rádio
    Moradores do Jacarezinho e Rio de Paz protestam na Alerj, sob o olhar da Polícia Militar

    'Sem freios': letalidade sobe 26% e polícia mata 12 pessoas por dia no Brasil, revela ONG

    Vladimir Platonow/Agência Brasil
    Brasil
    URL curta
    930

    Um total de 4.224 pessoas foi morta pela polícia no Brasil no ano passado, um aumento de 26% de vítimas fatais em relação a 2016, de acordo com dados revelados pela organização não-governamental (ONG) Human Rights Watch (HRW), dedicada aos direitos humanos.

    De acordo com a entidade, as "execuções extrajudiciais" cometidas por policiais são um dos mais graves problemas que justificariam o alto número de vítimas letais, e que isso coloca em risco até mesmo a vida dos próprios colegas de corporação, sujeitos à retaliação. Já 437 policiais foram mortos no Brasil, a grande maioria fora de serviço, segundo a organização.

    "A polícia no Brasil precisa desesperadamente da cooperação da comunidade para combater os elevados índices de criminalidade que afligem o país. Mas enquanto alguns policiais agredirem e executarem pessoas impunemente, as comunidades não confiarão na polícia", disse Maria Laura Canineu, diretora da Human Rights Watch no Brasil, em comunicado.

    Os dados integram o Relatório Mundial de 643 páginas da entidade, que está em sua 28ª edição. Apenas no Rio de Janeiro, policiais mataram 1.035 pessoas entre os meses de janeiro e novembro do ano passado, um crescimento acima da média nacional (27%) em relação ao ano anterior.

    O crescimento da letalidade policial também foi registrado em São Paulo, com 494 mortes entre janeiro e setembro de 2017 atribuídas a policiais, as quais representaram um aumento de 19% em relação ao mesmo período de 2016.

    A HRW ainda criticou o Congresso Nacional, que agravou o problema da letalidade na segurança pública ao aprovar uma lei que permite que apenas a Justiça Militar possa lidar com casos envolvendo homicídios cometidos por membros das Forças Armadas, estas cada vez mais usadas em operações de rua pelo país.

    Prisão e violência doméstica

    Outro problema grave apontado pela ONG é o aumento da população carcerária no Brasil, que subiu 17% entre dezembro de 2014 e junho de 2016, totalizando 726,7 mil pessoas atrás das grades – sem que isso contribua para um aumento da sensação de segurança para a população.

    Já a implementação da Lei Maria da Penha ainda é considerada “incompleta” pela HRW. Segundo a organização, as delegacias especializadas da mulher contam com recursos humanos insuficientes, geralmente fecham durante a noite e aos finais de semana, e permanecem concentradas nas grandes cidades.

    O relatório apontou que 4.657 mulheres foram mortas no Brasil em 2016, mas só em 2.904 casos foi oferecida denúncia por parte do Ministério Público (MP).

    Mais:

    Ato em Copacabana homenageia menino morto pela polícia e critica violência policial
    Violência no Rio: Bandidos tentam desmoralizar Polícia na guerra do tráfico
    Tags:
    população carcerária, violência doméstica, Lei Maria da Penha, injustiça, segurança, letalidade policial, violência policial, direitos humanos, Human Rights Watch, HRW, Maria Laura Canineu, São Paulo, Rio de Janeiro, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik