23:48 12 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Ex-presidente brasileira Dilma Rousseff, durante entrevista à Sputnik Brasil em Moscou, em 6 de outubro de 2017

    Dilma: que o Brasil tenha eleições realmente livres em 2018

    © Sputnik / Aleksei Kudenko
    Brasil
    URL curta
    231312
    Nos siga no

    A ex-presidenta Dilma Rousseff emitiu uma nota neste domingo, 31, expressando o desejo de ver mudanças significativas na sociedade brasileira no ano de 2018, com mais cooperação, mais democracia, sem intolerância e sem interferências no processo eleitoral.

    Em comunicado à imprensa, a chefe de Estado removida do cargo através de um polêmico impeachment pediu união pela recuperação do Brasil, deixando clara a sua esperança de ver o seu mentor político, Luiz Inácio Lula da Silva, novamente no poder. 

    "Que 2018 seja o ano da reconquista da democracia, da força do voto para garantir os nossos direitos. Que em 2018 tenhamos uma eleição realmente livre. Livre de exclusões, livre de manobras políticas e judiciais com o objetivo de interditar candidatos", disse ela. "Que em 2018 o presidente Lula possa concorrer. Que tenhamos força e unidade para construir um país melhor, ampliando de novo as oportunidades para todos, em uma sociedade sem intolerância, sem misoginia e sem homofobia."

    Segundo Dilma, seu desejo é o de que o novo ano traga, em resumo, "um país mais civilizado, com valores éticos e morais baseados na valorização da cooperação e não da concorrência". 

    "Um 2018 de conquistas e vitórias para todas as brasileiras e todos os brasileiros", finalizou a ex-presidenta.

    Mais:

    Secretário-geral da ONU pediu unidade para 2018 (VÍDEO)
    Imprensa: Kim Jong-un ordenou o lançamento de um novo míssil balístico em 2018
    Revolta da natureza: meteorologista prevê um 2018 com mais perigos climáticos
    Chanceler alemã Merkel planeja formar rapidamente governo estável em 2018
    Tags:
    2018, eleição, Luiz Inácio Lula da Silva, Lula, Dilma Rousseff, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar