16:50 23 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Ministro da Defesa, Raul Jungmann, acompanha o treinamento da Brigada de Infantaria Paraquedista para os Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016, na Vila Militar, em Deodoro, zona oeste da capital.

    Exército vai ao Rio Grande do Norte e pode continuar no Rio de Janeiro até o fim de 2018

    Tomaz Silva/ Agência Brasil/FotosPúblicas
    Brasil
    URL curta
    313

    O ministro da Defesa, Raul Jungmann, anunciou envio de tropas ao Rio Grande do Norte, nesta sexta-feira (29), além da continuidade da presença do Exército brasileiro em ações no Rio de Janeiro.

    O anúncio aponta o envio de 2 mil militares das Forças Armadas para o Estado do nordeste. O Rio Grande do Norte já conta com o patrulhamento e segurança da Força Nacional de Segurança Pública.

    "Apesar de todas as vicissitudes, o valor mais sagrado que temos é a vida. E quando a sociedade os dota de armas e equipamento para defendê-la, os faça na confiança que deposita neles", afirmou o ministro.

    O governo também anunciou durante a coletiva que as tropas devem começar seus trabalhos em 2 semanas. Na avaliação exposta por Jungmann, a greve dos policiais militares e dos bombeiros do Estado gerou uma necessidade para uma ação de Garantia da Lei e da Ordem (GLO).

    Ainda na coletiva, o ministro anunciou que o presidente Michel Temer assinou decreto que prorroga a presença de tropas do exército no Rio de Janeiro até o final de 2018.

    A primeira semana do ano terá reunião com o governador do Rio, Luiz Fernando Pezão (PMDB) para tratar do assunto.

    A greve de policiais militares e bombeiros do Rio Grande do Norte já dura 11 dias, e não dá sinais de arrefecimento. Casos de violência têm sido relatadas no Estado, o que gerou o uso da GLO.

    A greve de policiais e bombeiros foi considerada ilegal, mas segue reivindicando pagamento de salários atrasados e denunciando más condições de trabalho.

    Paralisações policiais semelhantes ocorreram em 2017 no Espírito Santo e também no Rio de Janeiro, gerando protestos e ondas de violência.

    Mais:

    Polícia do Rio de Janeiro apreende 60 fuzis de 'guerra' em aeroporto
    'Rio de Janeiro se humilhou ao expor suas dificuldades na segurança pública'
    Sob tensão, Rio de Janeiro será ocupado por soldados das Forças Armadas
    Tags:
    greve de PM's, greve de policiais, segurança pública, Michel Temer, Raul Jungmann, Espírito Santo, Rio de Janeiro, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik