07:14 26 Fevereiro 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    363
    Nos siga no

    O Itamaraty não planeja enviar outro embaixador para representar o governo brasileiro em Caracas e o comando da missão deve ficar a cargo do encarregado de negócios no país. De acordo com o jornal Estado de São Paulo, o ministério ainda não planeja cortar relações diplomáticas com Nicolás Maduro.

    Ainda segundo a publicação, o Ministério das Relações Exteriores decidiu não enviar outro profissional para o posto por avaliar que, ao declarar o embaixador atual Ruy Pereira como "persona non grata", Maduro não mirava problemas relacionados ao diplomata em si, mas sim o governo brasileiro.

    No mesmo discurso em que expulsou o brasileiro do país, a ex-chanceler Delcy Rodríguez (que atualmente preside a polêmica Assembleia Nacional Constituinte chavista) também baniu o encarregado de negócios canadense, Craib Kowalik por comentários contra o chavismo em redes sociais.

    Ruy Pereira foi indicado à função ainda no governo petista, sendo chamado para consultas (um sinal diplomático para demonstrar desaprovação quanto a alguma medida específica) em agosto devido aos fortes discursos de Maduro ao impeachment e ao presidente Michel Temer. Ele é conhecido por ter bom trânsito entre a cúpula chavista.

    Como o Itamaraty já tinha anunciado que tomaria "medidas de reciprocidade correspondentes" após o ato, o embaixador Alberto Efraín Castellar Padilla também deve ser declarado "persona non grata" e terá de retornar a Caracas até a nomeação de um novo indicado que precisará ter as credenciais aprovadas por Temer antes de começar a trabalhar no país.

    Tags:
    Ministério das Relações Exteriores do Brasil, Assembleia Nacional Constituinte da Venezuela, Itamaraty, Ruy Pereira, Craib Kowalik, Alberto Efraín Castellar Padilla, Michel Temer, Delcy Rodríguez, Nicolás Maduro, Venezuela, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar