02:37 22 Julho 2019
Ouvir Rádio
    Pedestrem tiram fotos de militares que ocupam praia de Copacana em operação das Forças Armadas no Rio

    Crise de segurança no Rio: 'estamos vivendo uma guerra irregular', diz especialista

    Tomaz Silva / Fotos Públicas
    Brasil
    URL curta
    Bastidores da violência na cidade maravilhosa (6)
    953

    O especialista em segurança, inteligência e estratégia, diretor da empresa Tróia Intelligence, Ricardo Gennari, conversou com a Sputnik Brasil sobre o projeto do governo que prevê a permanência das Forças Armadas no Rio de Janeiro mesmo após o fim do governo de Michel Temer em 2018.

    O ministro da Defesa, Raul Jungmann, defendeu nesta terça-feira (13) a continuidade da atuação das ações das Forças Armadas no Rio de Janeiro mesmo após o fim do Governo de Michel Temer. 

    Em entrevista à Sputnik Brasil, o especialista em segurança, inteligência e estratégia, Ricardo Gennari, comentou a controversa classificação de que o Rio de Janeiro estaria vivendo uma guerra. De acordo com ele, a situação no Rio diz respeito a uma "guerra irregular".  

    "Quando a gente fala do conceito guerra, a gente não vive uma guerra regular […] a gente vive uma guerra irregular. Tem muita gente que faz estudos comparativos disso com guerrilha, porque o tipo de armamento que se usa hoje é de fuzil pra cima", declarou.

    "Estamos falando de uma armamento de guerra, uma guerra irregular. A gente pode usar outros nomes, mas é um conflito que a gente está vivendo. As crianças não podem ir pra escola, as pessoas não podem ir pra praia. Então isso é muito complicado. Isso traz insegurança, insatisfação, pouco investimento", acrescenta. 

    Em relação aos planos do governo de manter as Forças Armadas no Rio mesmo após o fim do governo de Michel Temer em 2018, o especialista atentou para os riscos desse tipo de operação sem contar com a integração efetiva das forças de segurança e inteligência.

    "As Forças Armadas são o último guardião de qualquer sociedade, e quando você coloca o último, na hora em que ele for desafiado e na hora em que ele for vencido, nós não teremos mais ninguém pra defender […] Não adianta colocar Forças Armadas, polícias, o que quiser, se não tiver uma integração real. Se não tiver uma disponibilidade do Estado, dos governantes, a gente já tá perdendo a batalha, e a gente tá a caminho de perder a guerra", afirmou Gennari. 

    Ao comentar a origem dos recursos para financiar as operações militares no Rio de Janeiro, o especialista comentou o projeto que prevê que os recursos financeiros venham dos tributos pagos pelas indústriais de material bélico.

    De acordo com ele, trata-se de "um projeto interessante, muito eficaz". "Agora, nós estamos no Brasil, vamos ver se isso realmente vai acontecer. Se esses recursos vão aparecer e se esses recursos serão distribuidos para a segurança pública do país", ponderou. 

    Desde julho, as Forças Armadas, a Força Nacional de Segurança Pública, a Polícia Federal e a Polícia Rodoviária Federal realizam operações em conjunto com a Polícia Civil e a Polícia Militar, no combate ao crime organizado. 

    Tema:
    Bastidores da violência na cidade maravilhosa (6)

    Mais:

    Ex-capitão do BOPE: problema da segurança no Rio só tem uma solução, e não é o Exército
    Exército no Rio: militares tomam conta da paisagem carioca com operação de segurança
    Guerra do tráfico: Governo Federal vai reforçar segurança do Rio
    Tags:
    operação, forças armadas, conflito, guerra, exército, segurança, Brasil, Rio de Janeiro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar