17:20 19 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Ato contra a violência à mulher na Avenida Paulista, São Paulo, em 2016

    'Ele me deu um tiro pelas costas no dia 23 de abril. Meu namorado estava comigo e morreu'

    © AFP 2018 / Miguel Schincariol
    Brasil
    URL curta
    540

    Ele invadiu a casa da ex-namorada, atirou contra ela e assassinou seu novo parceiro. Depois dos disparos, cometeu suicídio.

    O episódio aconteceu com Carolina dos Santos em 2000, quando ela tinha 17 anos. O tiro que recebeu a deixou paraplégica. Ela conta que passou 13 anos "carregando o sentimento de culpa" até entender que era a vítima de tudo o que aconteceu, e não culpada. 

    "O tema da violência era algo muito distante da realidade das mulheres naquela época, então infelizmente não consegui identificar os sinais que ele vinha dando desde o início da relação. A relação era desgastante, ele me sufocava, me dominava, controlava minhas roupas, meus passos, me levava e esperava na parada. Eu era vigiada e achava que aquilo era um cuidado", afirmou Carolina em entrevista exclusiva à Sputnik Brasil. 

    A história guarda grandes semelhanças ao ocorrido com Maria da Penha, farmacêutica que deu origem à lei homônima de combate à violência contra a mulher, aprovada em 2006. O marido de Maria da Penha disparou contra ela e depois tentou afogá-la. Ela também ficou paraplégica. O agressor só foi punido após uma batalha legal de 19 anos. 

    16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra as Mulheres da ONU

    A violência de gênero não deixou de ser um problema da sociedade brasileira. 

    No nordeste, 27% de todas as mulheres com idades entre 15 e 49 anos já foram vítimas de violência doméstica ao longo da vida e 17% delas foram agredidas fisicamente pelo menos uma vez na vida. O levantamento faz parte da campanha 16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra as Mulheres da Organização das Nações Unidas (ONU), que tem início neste sábado (25).

    Os números são da pesquisa "Condições Socioeconômicas e Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher (PCSVDFMulher)", que entrevistou mais de 10 mil mulheres nas nove capitais nordestinas.

    Os dados sobre a violência contra a mulher não param por aí. Segundo o Ministério da Saúde, nos últimos 10 anos mais de 47 mil mulheres foram assassinadas no Brasil. Já o Instituto Maria da Penha afirma que a cada 7,2 segundos uma mulher é vítima de violência física.

    Em entrevista exclusiva à Sputnik Brasil, a representante da ONU Mulheres Brasil, Nadine Gasman, afirmou que o Brasil tem ferramentas para combater a violência de gênero, mas falta investimento nestas políticas públicas. Para ela, a violência contra a mulher tem impactos sociais, familiares e econômicos. 

    Carolina dos Santos diz que a situação das mulheres cadeirantes é ainda mais complexa:

    "Na época [da agressão] não houve nenhum acolhimento, nada. Comparando com a realidade de hoje, nós mulheres com deficiência, estamos um pouco distante [do ideal]. Se você for procurar uma delegacia aqui em Porto Alegre, é agora que a cidade está querendo se adaptar. Não tem estrutura física, arquitetônica, para que a mulher cadeirante chegue. Não tem atendimento humanizado, como que eu vou lidar com essa situação?"

    Raça e gênero

    A representante da ONU Mulheres Brasil destaca outra característica da violência contra a mulher. Nadine Gasman afirma que existe uma interação entre sexismo e racismo no Brasil. "Os dados devem motivar políticas de combate ao racismo, a gente precisa olhar essas duas áreas".

    A pesquisa "Violência doméstica e seu impacto no mercado de trabalho e na produtividade das mulheres" mostrou que 6% das mulheres sofreram algum tipo de violência enquanto grávidas — e  77% destas vítimas são negras. Além disso, 24% das mulheres negras vivenciaram a ocorrência de violência doméstica contra suas mães, enquanto a mesma situação foi vivenciada por 19% das mulheres brancas.

    Denuncie

    A Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência da República mantém uma linha telefônica em todo o Brasil para receber denúncias de violência. O número é 180 e funciona 24 horas em todos os dias da semana. Ele é gratuito e confidencial. 

    Carolina Santos, que passou a registrar sua experiência no blog "Sobre Rodas", acredita que precisamos lutar contra a omissão diante da violência contra a mulher. 

    "É aquele ditado: 'em briga de marido e mulher não se mete a colher'. Até que eu mesma entendi que estava sofrendo uma violência. Até hoje é assim."

    Mais:

    'Não deixar uma mulher trabalhar é violência'
    Ensaio fotográfico alerta para violência contra a mulher no Carnaval
    Temer anuncia ação conjunta no combate à violência, com foco especial na mulher
    Violência contra a mulher no Brasil e no Mundo é tema de debate no Rio
    Tags:
    ONU, Maria da Penha, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik