14:39 20 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Fuzis estão entre os armamentos mais vendidos pela Imbel tanto no Brasil quanto no exterior

    Brasil ainda mantém fôlego na exportação de equipamentos militares

    Imbel/Divulgação
    Brasil
    URL curta
    7130
    Nos siga no

    “O Brasil tem longa tradição na exportação de equipamentos militares. A tradição não se perdeu, o que se perdeu foi um pouco da capacidade empresarial.” A afirmação é de Roberto Godoy, jornalista especializado em assuntos militares que analisou com exclusividade para a Sputnik Brasil as possibilidades de exportação dessa indústria nos dias de hoje.

    A Comissão de Relações Exteriores do Senado promoveu um ciclo de debates sobre o papel do Brasil na nova ordem internacional e, dentro do tema, debateu com especialistas as oportunidades de negócio com a venda de material militar para diversos países. Esse é um mercado que não para de crescer. No ano passado, os países gastaram R$ 1,7 trilhão em defesa, com o Brasil respondendo por 1,4% desse total.

    Godoy lembra que quando se fala em exportação de equipamento militar isso não significa apenas armamento, mas tecnologias e até hospitais de campanha, item que o Brasil exportava regularmente até há alguns anos. Eram unidades modulares, que serviam não só em operações militares como também humanitárias em atendimento a populações atingidas por desastres naturais.

    Para o especialista, ainda hoje o mercado mais promissor para o Brasil é o Oriente Médio, no segmento de armas militares e pesadas. No segmento de armas leves, o melhor mercado continua sendo o dos Estados Unidos, o maior comprador de armas leves do Brasil, apesar do grande número de fabricantes locais e da qualidade dos produtos, isso sem falar na importação de vários países. “É muito fácil você se transformar em colecionador (lá). Basta ter dinheiro. O sujeito tem um fuzil feito na China e a arma pessoal dele, escondida debaixo do sofá, veio da Itália”, ironiza.

    "A tradição brasileira começa pelo menos há 50 anos, quando o Brasil era um poderoso e influente player do mercado internacional, principalmente em blindados leves fabricados pela extinta Engesa, que produzia o Cascavel (blindado de reconhecimento armado), o Urutu (transporte de tropas, armado e anfíbio), o Jararaca (considerado o carro esporte dos blindados e de grande agilidade). Ela abriu mercado em 32 países", lembra o especialista.

    O Brasil tem grandes nomes nessa indústria atuando já há algum tempo, como a Embraer, Taurus, Imbel, Avibras, entre outras. Rangel lembra que na esteira dessa onda surgiu a Avibras, que se colocou no mercado com um catálogo de bombas de múltiplo emprego e foguetes, como os ar-terra, um pouco menores que os convencionais, disparados a partir das asas de aviões. No começo dos anos 80, lançou o Astros 2 e que até hoje é considerado um dos melhores do mundo. Hoje o modelo está na sexta geração. O grande atrativo é que ao contrário dos concorrentes, que usam um único tipo de foguete, o Astros é capaz de disparar pelo menos três tipos com alcance variando de 10 a 100 quilômetros com calibres diferentes.

    "(O Astro) vende muito, no Oriente Médio e agora na Ásia até com algum vigor. Entre os líderes (no Brasil), você tem a Embraer Defesa & Segurança, com suas famílias, envolvendo o SuperTucano, que já soma 130 mil horas de voo e cerca de 40 mil horas de combate. Foi empregado largamente na Colômbia na luta contra as FARC, está sendo utilizado pela aviação do Afeganistão contra os talibãs. Hoje é considerado o melhor na sua classe para esse tipo de missão. Ele serve para treinar pilotos, mas hoje ele é visto como um avião de ataque leve a alvos no solo, de apoio à tropa e reconhecimento eletrônico por até sete, nove horas", afirma Godoy.

    O especialista ressalta que um dos grandes trunfos do Super Tucano é seu custo operacional muito inferior aos similares. O concorrente mais próximo é um jato americano que custa entre US$ 14 mil e US$ 34 mil por hora de voo, enquanto a do Super Tucano, em voo de reconhecimento, pouco passa de US$ 500 e em missão de combate, US$ 1.500.

    "O que o Brasil precisa é ter uma política industrial de defesa muito bem definida e uma política de exportação e de armas em geral, leves, como as produzidas pela Taurus, que podem ser vendidas para colecionadores, caçadores, atiradores de precisão e que são vendidas principalmente para as polícias. O sucesso delas é tão grande que a Taurus mantém uma fábrica na Flórida (EUA) para atender aos pedidos americanos", diz Godoy, observando que a empresa está enfrentando no Brasil um problema sério: diversos lotes vendidos para policiais estaduais, como a de São Paulo, por exemplo, vêm apresentando defeitos graves, como disparos acidentais.

    Na visão de Godoy, o governo tem que evitar os erros que vitimaram muitas empresas do setor nos anos 90, quando também o processo de redemocratização do país implicou mudanças também nessa área. Além de uma política sólida, na visão do especialista, é necessária a criação de uma legislação que garanta critérios éticos bastante rígidos.

    Mais:

    Venda de armas ao Brasil: uma história com mais furos do que queijo suíço
    Opinião: restrição ao comércio de armas no Brasil só beneficia bandidos
    Tags:
    governos, defesa, equipamento militar, tecnologia, exportação, segurança, IMBEL, Engesa, Taurus, Avibras, Senado, Embraer, Roberto Godoy, Mundo, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar