23:38 20 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Crivella diz que seu governo será de austeridade

    China pode comprar dívida do Rio e dar fôlego financeiro que Crivella busca em Pequim

    Waldemir Barreto/ Agência Senado
    Brasil
    URL curta
    15911

    O prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella (PRB), negocia com o Banco de Desenvolvimento da China (CDB) uma engenharia financeira que possa dar fôlego aos cofres do município, informou nesta segunda-feira a Prefeitura da capital fluminense.

    Em linhas gerais, o banco chinês compraria a dívida do Rio, permitindo ao governo municipal "alongar o prazo de pagamento da dívida e reduzir os juros cobrados pelos bancos federais brasileiros", refinanciando US$ 2 bilhões no curto prazo, informou o conselho da cidade em um comunicado.

    As negociações se chegar a esse acordo foram iniciadas nesta segunda-feira em Pequim, na China, durante uma visita de Crivella à capital do país asiático.

    Na reunião, o diretor-geral da CBD, Jin Tao, manifestou interesse em promover desenvolvimento e infraestrutura na chamada Cidade Maravilhosa, bem como o desenvolvimento de empresas chinesas que já operam na cidade, acrescentou o comunicado.

    "Queremos facilidades para investir e um ambiente seguro para isso", disse Tao, que lembrou que o CDB já apoiou 46 projetos no Brasil, em diversas áreas, que somam US$ 55 bilhões. Ele enfatizou que agora o banco analisará detalhadamente a situação financeira do Rio e as garantias dadas para a operação pelo Banco Mundial e pelo governo brasileiro.

    Durante sua visita à China, Crivella também se encontrou com a prefeita de Pequim, Chen Jining, com quem assinou acordos de cooperação em cultura, desenvolvimento sustentável, segurança, turismo e planejamento.

    O CDB, fundado em 1994, é um dos principais bancos da China e nos últimos anos expandiu seus negócios na América Latina, especialmente em projetos de infraestrutura e desenvolvimento social na Argentina, Venezuela e Brasil.

    Na mesma segunda-feira, o presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Paulo Rabello de Castro, assegurou que o Rio de Janeiro está "em um estado terminal" e que é necessário repensar planos estratégicos para melhorar a gestão de recursos públicos.

    O Rio de Janeiro está em uma situação financeira difícil, devido à crise que afeta todo o país e, especificamente, à queda da coleção proveniente de royalties do petróleo.

    A situação do município junta-se ao governo do Estado homônimo, que é ainda mais crítico: pouco mais de um ano após ter decretado o estado de "calamidade financeira", esta região do país depende das contribuições periódicas do governo central para manter a liquidez e lidar com pagamentos de servidores e fornecedores.

    Mais:

    Escândalo no Rio: 'comandantes da PM são sócios do crime organizado', diz ministro
    Familiares de PMs no Rio denunciam descaso e se revoltam com abandono
    Ex-capitão do BOPE: problema da segurança no Rio só tem uma solução, e não é o Exército
    Crônicas da exclusão: favelas vão voltar aos mapas de turismo no Rio
    Tags:
    relações bilaterais, política, infraestrutura, investimento estrangeiro, empréstimo, dívida pública, Banco de Desenvolvimento da China (CDB), BNDES, Paulo Rabello de Castro, Chen Jining, Jin Tao, Marcelo Crivella, Rio de Janeiro, Brasil, Pequim, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik