06:48 23 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Plataformas no pré-sal da Bacia de Campos vêm aumentando produção

    Venda do pré-sal a empresas estrangeiras pode impactar o preço do combustível no Brasil?

    Geraldo Falcão/Agência Petrobras/Fotos Públicas
    Brasil
    URL curta
    1382

    1,677 milhão de barris de óleo por dia. A soma expressiva representa a produção total do pré-sal durante o mês de setembro, volume que representa um crescimento de 6,6% em relação a agosto. Mas o leilão das áreas produtoras poderia causar impacto nos preços ao consumidor?

    O leilão realizado na última semana de outubro contou com a participação de petrolíferas do mundo todo. A chinesa CNPC, a britânica BP, a Shell e a Repson Sinopec levaram os campos de produção mais rentáveis e muita gente ficou se perguntando que efeito prático a venda teria nos postos de combustível.

    Virtualmente, ao menos no curto prazo, praticamente nenhum. Em entrevista exclusiva à Sputnik Brasil, analista de óleo e gás da Tendências Consultoria, Walter de Vitto, explicou que a política de preços adotada pela Petrobras atualmente está mais atrelada a fatores macroeconômicos, impactados em menor medida pela venda.

    "A produção do pré-sal vai compor a produção mundial que vai se contrastar com a demanda e o preço vai se formar com estes parâmetros. A Petrobrás tem repassado os fatores externos para o que é cobrado na refinaria, dos distribuidores e do varejo", explica o analista.

    De Vitto também explicou porque aumentos são repassados imediatamente às bombas, mas cortes nos preços cobrados da refinaria nem sempre são sentidos pelo consumidor.

    "Costumamos brincar que os preços sobem de elevador e descem de escada. Mas a verdade é que outros fatores podem influenciar nas tarifas. No preço final estão as variações do etanol, que é misturado à gasolina C disponível nas bombas. Pode acontecer de a refinaria baixar o preço, mas o etanol aumentar, um movimento contrário. Há também problemas de tributação, como aconteceu este ano com o PIS/Cofins, um imposto que teve aumento muito forte, expressivo. São 'n' fatores que afetam o preço do consumidor que não só a refinaria".

    O maior desafio para o cenário nacional, de acordo com o analista, passa a ser agora a pressão da demanda, consequência da retomada econômica.

    "Temos uma exportação de petróleo crescente e relevante, mas importamos derivados. Somos autossuficientes, mas é preciso fazer uma ressalva quanto à queda do consumo doméstico aliado ao aumento de produção, o que ajudou no fechamento da conta. Nos próximos anos, com a retomada da economia, vamos ver uma pressão por parte da demanda".

    Mais:

    Petróleo de boa qualidade é encontrado em novo poço no pré-sal
    Sibá Machado: ‘Redução de peso da Petrobras no pré-sal é ato de lesa-pátria’
    Pesquisa: pré-sal pode ter ao menos 176 bilhões de barris de petróleo
    Tags:
    PIS/Cofins, etanol, pré-sal, gasolina C, Tendências Consultoria, CNPC, Repson Sinopec, Sputnik Brasil, Petrobras, Shell, Walter de Vitto, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik