00:44 15 Agosto 2018
Ouvir Rádio
    A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Cármen Lúcia.

    Redações contrárias aos direitos humanos no ENEM não poderão ser zeradas, decide Supremo

    © Foto : Luiz Silveira/Agência CNJ/ Fotos Públicas
    Brasil
    URL curta
    24125

    O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu neste sábado (4) que o Ministério da Educação (MEC) não poderá dar nota zero a redações do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) com teor ofensivo aos direitos humanos.

    As informações são do G1

    A decisão é da presidente do Supremo, Cármen Lúcia, que negou um pedido da Procuradoria Geral da República (PGR) e da Advocacia Geral da União (AGU).

    O MEC afirmou por meio de nota que irá acatar a decisão. 

    Agora, quem escrever contra os direitos humanos na redação poderá receber um desconto de no máximo 200 pontos, de um total de 1.000, mas não terá sua redação anulada.

    A disputa foi iniciada por uma ação da Associação Escola sem Partido que argumenta que os critérios do MEC ofendem o direito à livre manifestação do pensamento e o pluralismo de ideais.

    A primeira etapa do Enem começa neste domingo, com outra prova agendada para a próxima semana. Mais de 6,7 milhões de candidatos estão inscritos para a prova que funciona como porta de entrada para a maior parte das universidades públicas do Brasil.

    Mais:

    STF suspende portaria que muda regras de combate ao trabalho escravo
    Ministro do STF impede governo de extraditar Battisti até segunda ordem
    STF: parlamentares só poderão ser afastados com aval do Congresso
    Ministros do STF decidem enviar nova denúncia contra Temer à Câmara
    Derrota para Temer: STF mantém Janot no comando das investigações com presidente
    STF libera novos áudios da JBS e Cármen Lúcia fala em 'ataque ao Supremo' (VÍDEOS)
    Tags:
    Procuradoria Geral da República (PGR), AGU, MEC, STF, Cármen Lúcia, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik