15:33 22 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Desmatamento voltou a crescer na Amazônia nos dois últimos anos

    Brasil quer passar o chapéu para salvar a Amazônia

    Wilson dias/Agência Brasil/Fotos Públicas
    Brasil
    URL curta
    1407

    O Brasil quer receber dinheiro para manter a Amazônia preservada.

    O ministro do Meio Ambiente, Sarney Filho (PV), disse em teleconferência com a imprensa internacional que os produtores que não desmatam devem ser remunerados. Os municípios e as unidades de preservação também devem receber recursos, disse o ministro.

    O Brasil pretende discutir esta pauta na COP 23 — Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas. O evento será realizado em Bonn, na Alemanha, entre 6 e 17 de novembro e tem como objetivo avaliar as medidas tomadas para deter o aquecimento global. 

    O dinheiro para a implementação da política pública mencionada por Sarney Filho pode existir: criado pela Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre a Mudança do Clima, o Fundo Verde do Clima tem como objetivo combater os efeitos da mudança climática. O objetivo traçado é de que o fundo tenha um orçamento anual de US$ 100 bilhões até 2020.

    Em 2017, o Fundo Verde do Clima aprovou 18 projetos e uma destinação de US$ 1,14 bilhão. Nenhum dos projetos será realizado no Brasil.

    O secretário-executivo da ONG Observatório do Clima, Carlos Rittl, avalia que será difícil convencer a comunidade internacional a repassar ao Brasil recursos com o atual "saldo negativo" da política ambiental do presidente Michel Temer (PMDB).

    "O ministro Sarney Filho é um bastião de resistência contra um ataque coordenado de uma associação muito predatória entre Temer e a bancada ruralista. O presidente tem atendido todas as demandas da bancada ruralista, levando adiante propostas para regularizar grilagem de terras públicas."

    Como signatário do Acordo de Paris, o Brasil comprometeu-se a reduzir de 36% a 39% das emissões de gases de efeito estufa até 2020. Na avaliação do secretário-executivo da ONG Observatório do Clima, contudo, o risco de não atingir esta meta é "muito alto", principalmente a meta de redução do desmatamento, que precisa cair 70% até 2020.

    "Em nenhum momento da nossa história houve uma redução de 70% no desmatamento no período de 3 anos", afirmou Carlos Rittl.

    As emissões de gases do efeito estufa do Brasil estão, na verdade, aumentando. O estudo "Sistema de Estimativas de Emissões de Gases de Efeito Estufa (SEEG)" mostrou que em 2016 as emissões brasileiras cresceram 8,9% ante 2015; foram 2,278 bilhões de toneladas brutas de gás carbônico equivalente emitidas na atmosfera — o índice mais alto desde 2008.

    De acordo com a pesquisa, o Brasil é o sétimo maior poluidor do planeta.

    Mais:

    Certas cidades da Amazônia são mais poluídas que Pequim, diz engenheiro florestal
    Legendário rio fervente escondido na Amazônia (FOTOS, VÍDEO)
    Brasil comanda exercícios militares plurinacionais de defesa dos povos da Amazônia
    'Eles vão me matar, que bom!': últimos momentos da britânica morta na Amazônia
    Pesquisador do Imazon aponta que desmatamento na Amazônia só cresce
    Tags:
    Observatório do Clima, Sarney Filho, Michel Temer, Amazônia, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik