17:04 18 Fevereiro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    761
    Nos siga no

    Militares especialistas em guerra eletrônica participaram, na semana passada, do I Exercício Ibero-Americano de Defesa Cibernética, no Centro de Instrução de Guerra Eletrônica, em Brasília, com a participação de especialistas da Argentina, Colômbia, Espanha, México, Portugal e observadores peruanos.

    O objetivo foi desenvolver competências na área cibernética e estreitar a cooperação entre as forças armadas dos países envolvidos. A iniciativa, do Comando de Defesa Cibernética, visa a aperfeiçoar tecnologias e sistemas integrados que permitam a identificação e neutralização de possíveis ataques cibernéticos que ofereçam ameaça à soberania nacional.

    Em entrevista exclusiva à Sputnik Brasil, o coronel-aviador Paulo Sérgio Porto, chefe da Divisão de Operações Conjuntas do Estado-Maior do Comando de Defesa Cibernética, diz que a realização de exercício como o deste final de outubro aprimoram a estratégia como atividade de combate cada vez mais importante no cenário mundial por promoverem o aprimoramento e a troca de experiências entre nações amigas.

    Porto lembra que o Comando de Defesa Cibernética foi criado em janeiro de 2015, tendo seus objetivos estabelecidos em março de 2016, tendo como principal objetivo a proteção e defesa dos ativos de informação da administração central do Ministério da Defesa. Com relação à cooperação com outros países, em especial da América Latina, Porto observa:

    "A segurança é um objetivo contínuo das organizações de forma que continuamente buscamos estabelecer critérios de risco inerentes aos ativos da informação, e realizar seu gerenciamento, os reduzindo às infraestruturas críticas da informação de interesse da defesa nacional, bem como contribuir para a segurança dos ativos de informação da Administração Pública Federal no que se refere à segurança cibernética situados fora do âmbito do Ministério da Defesa."

    O chefe do Comando de Defesa Cibernética diz que todo esse trabalho reúne não só a elite da comunidade tecnológica de informação das Forças Armadas como também há cooperações com entidades civis.

    "Uma de nossas atribuições é de ficar em condições de integrar com futuras estruturas a serem criadas no âmbito do Ministério da Defesa e das Forças Armadas, assim como proporcionar condições para que o sistema de ciência e tecnologia do ministério  realizem pesquisa e desenvolvimento, visando à prospecção tecnológica e científica em conjunto com instituições acadêmicas e de pesquisas nacionais. Desta forma realizamos e fomentamos a cooperação com instituições privadas e especialistas civis no país", diz o coronel-aviador.

    Os recursos alocados no Comando de Defesa Cibernética são distribuídos na articulação de ouras instituições na internet, treinamento e capacitação de pessoal, além da criação de ferramentas, inteligência cibernética, modelos de criptografia, entre outros. No Brasil, os programas militares  são de natureza defensiva.

    Mais:

    Coreia do Norte usa 6.800 hackers em guerra cibernética contra Coreia do Sul
    Mercado de ações dos EUA está vulnerável à manipulação de hackers, acredita especialista
    Tags:
    segurança cibernética, hackers, tecnologia, soberania, forças armadas, Internet, Comando de Defesa Cibernética, Ministério da Defesa, Paulo Sérgio Porto, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar