19:43 19 Novembro 2017
Ouvir Rádio
    Guilherme Boulos, coordenador do MTST, durante protesto contra o governo Michel Temer em São Paulo (arquivo)

    Líder do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto pode ser candidato do PSOL à Presidência

    Roberto Parizotti/ CUT
    Brasil
    URL curta
    1982134

    O coordenador do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), Guilherme Boulos, poderá ser o candidato do PSOL (Partido Socialismo e Liberdade) à Presidência da República em 2018. Foi o que admitiu em entrevista exclusiva à Sputnik Brasil o presidente nacional da agremiação, o pedagogo Luíz Araújo.

    De acordo com Araújo, a proposta de contar com Guilherme Boulos surgiu recentemente, assim que o deputado federal Chico Alencar (RJ) desistiu da pré-candidatura à Presidência da República. Chico Alencar será o candidato do PSOL ao Senado Federal pelo Rio de Janeiro.

    Na entrevista, Luíz Araújo, professor da Universidade de Brasília, confirmou que o PSOL terá candidatura própria em 2018, como teve nas eleições presidenciais anteriores de 2006, 2010 e 2014 com, respectivamente, Heloísa Helena, Plínio de Arruda Sampaio e Luciana Genro:

    "Vamos por partes. O PSOL vai ter, sim, candidatura presidencial própria em 2018. Essa é uma decisão que tomamos em nosso diretório nacional e estamos acumulando no processo congressual que será em dezembro. O companheiro Chico Alencar (PSOL-RJ) era uma ideia consolidada dentro do partido [para ser o candidato do PSOL à presidência da República], mas ele declinou seu nome para concorrer ao Senado pelo Rio de Janeiro, e isso reabriu o debate interno no partido sobre a candidatura à Presidência da República. Surgiu então a ideia de convidar o Guilherme Boulos, coordenador nacional do MTST, nome nacionalmente conhecido, que tem-se batido pelos trabalhadores urbanos, rurais e tem demonstrado saber lidar com as questões da terra, da cidade, etc. Mas o importante é que haja uma discussão com ele, Boulos, e internamente, dentro do partido. Neste momento, ele não é o pré-candidato do PSOL. Aliás, quem pode falar se quer ou não ser o nosso candidato é somente ele, Guilherme Boulos."

    Por sua vez, Guilherme Boulos não admitiu oficialmente que será o pré-candidato do PSOL em 2018. Também em entrevista exclusiva, o filósofo, ativista social e coordenador do MTST falou de suas prioridades atuais:

    "Eu não acho que o melhor a se fazer neste momento é antecipar o debate eleitoral de 2018. Nós estamos num momento de desmonte nacional. O governo golpista e ilegítimo vem atacando os direitos sociais, impondo retrocessos democráticos, e nos próximos dias enfrentará uma sessão plenária da Câmara dos Deputados que poderá (ou não) autorizar o Supremo Tribunal Federal a instaurar processo penal contra o presidente Michel Temer e dois dos seus ministros, Eliseu Padilha e Moreira Franco. Então, eu acho que o nosso foco, das organizações de esquerda e dos movimentos sociais, deve ser o de impedir o retrocesso, procurar fazer mobilizações para que essas denúncias sejam apuradas e impeçam a realização de um novo grande acordo no Congresso. O meu foco neste momento, assim como o foco do MTST e da Frente Povo Sem Medo, é o de construir esse processo de lutas, mobilizações e apuração de denúncias relacionadas a este retrocesso no país."

    Mobilização social são as palavras de momento para Guilherme Boulos. Segundo ele, é preciso ativar os movimentos sociais no pais, o que tem sido feito através da plataforma Vamos!, da Frente Povo Sem Medo.

    "Estamos realizando debates em todas as regiões do país sobre um programa e sobre os desafios de se tirar o Brasil desse abismo e desse atoleiro. Então, é necessário um debate programático que não esteja pautado apenas pelo processo eleitoral. Mas é evidente: teremos eleições [presidenciais] ano que vem, isso deve estar na agenda da esquerda, e devemos discutir essas questões."

    Por fim, Boulos admitiu ter conversado com a direção do Partido Socialismo e Liberdade sobre possível pré-candidatura:

    "Tenho sim conversado com dirigentes do PSOL assim como com outras legendas ativas de esquerda sobre alternativas que precisamos construir para o próximo período. Precisamos de um amplo debate programático para o país."

    Guilherme Boulos nasceu em São Paulo em 1982. É formado em Filosofia pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (FFLCH-USP), na qual ingressou no ano 2000. Na juventude, participou ativamente de movimentos estudantis e, em 2002, ingressou no MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem Teto), do qual é hoje coordenador nacional. 

    Mais:

    Para o Psol, rejeição de denúncia contra Temer vai ferir de morte o Congresso
    PSOL explica sua razões para pedir impeachment de Michel Temer
    Presidente do PSOL: Impeachment foi salvo-conduto para abafar Lava Jato
    Tags:
    2018, eleições, MTST, PSOL, Plínio de Arruda Sampaio, Heloísa Helena, Luciana Genro, Luíz Araújo, Chico Alencar, Michel Temer, Moreira Franco, Eliseu Padilha, Ghilherme Boulos, Brasília, Brasil, São Paulo
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik