11:46 18 Novembro 2017
Ouvir Rádio
    O senador do PSDB Aécio Neves (foto de arquivo)

    'Serenidade', diz Aécio sobre decisão do Senado de o restituir

    © REUTERS/ Ueslei Marcelino
    Brasil
    URL curta
    1524505

    Aécio Neves (PSDB-MG) afirmou ter recebido com "serenidade" a decisão do Senado Federal, que nesta terça-feira (17) devolveu ao tucano o mandato de senador.

    Para o senador mineiro, a decisão "restabeleceu princípios essenciais de um Estado democrático" e lhe dará a oportunidade para "apresentar sua defesa e comprovar cabalmente na Justiça sua inocência em relação às falsas acusações das quais foi alvo".

    Após ser gravado pelo empresário Joesley Batista, da JBS, pedindo R$ 2 milhões, Aécio havia sido afastado do Senado pela primeira turma do STF (Supremo Tribunal Federal). O tucano também havia sido impedido de deixar sua casa no período da noite. 

    A volta de Aécio foi possível porque o STF determinou na semana passada que cautelares impostas a parlamentares devem ser submetidas ao aval do Congresso.

    Confira a íntegra da nota de Aécio:

    "O senador Aécio Neves recebeu com serenidade a decisão do plenário do Senado Federal que lhe permite retomar o exercício do mandato conferido pelo voto de mais 7 milhões de mineiros. A decisão restabeleceu princípios essenciais de um Estado democrático, garantindo tanto a plenitude da representação popular, como o devido processo legal, assegurando ao senador a oportunidade de apresentar sua defesa e comprovar cabalmente na Justiça sua inocência em relação às falsas acusações das quais foi alvo."

    Mais:

    Aécio escreve carta a senadores pedindo votos para voltar ao Senado
    Condenado pelo mensalão revela caixa 2 em 1998 e 2002 a FHC, Lula, Serra e Aécio
    Conselho de Ética do Senado mantém arquivamento de cassação de Aécio Neves
    Líder da Força-Tarefa sugere que, solto, Aécio poderá articular pelo fim da Lava Jato
    Tags:
    JBS, Senado, STF, Joesley Batista, Aécio Neves, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik