12:53 22 Maio 2018
Ouvir Rádio
    Número de milionários no Brasil saltou de 148 mil em 2015 para 164 mil em 2016

    Acredite se quiser: número de milionários no Brasil não para de crescer

    Fernanda Carvalho/Fotos Públicas
    Brasil
    URL curta
    21410

    A economia brasileira só agora, e aos poucos, volta a dar sinais de crescimento após dois anos de recessão. O país tem 13 milhões de desempregados, um contingente cada vez maior de pessoas caindo para baixo da linha da pobreza, e ainda assim o número de milionários brasileiros não para de crescer.

    Estudo realizado pela Capgemini — empresa global de serviços de consultoria, tecnologia e terceirização, realizado em 19 países — revela que o número de milionários brasileiros passou de 148,5 mil em 2015 para 164,5 mil em 2016, e que o patrimônio acumulado por esse grupo saltou de US$ 3,7 trilhões para US$ 4,2 trilhões. A expansão desse seleto grupo foi de 10,7%.

    O Relatório sobre a Riqueza Mundial 2017 aponta ainda que os recursos dos mais ricos do mundo cresceram 13,5% sobre 2015 e podem chegar a US$ 100 trilhões até 2025. Mas qual seriam os motivos para tal disparidade no Brasil, onde o salário mínimo está abaixo de R$ 1 mil?

    Em entrevista exclusiva à Sputnik Brasil, Ricardo Teixeira, economista da Fundação Getúlio Vargas  (FGV), diz que três fatores principais devem ser levados em consideração para explicar o aumento dos novos milionários. Segundo ele, o comportamento de quem já está com algum recurso e pode investir difere totalmente daquele que está tentando sobreviver e de quem, eventualmente, pode perder o seu emprego.

    "A posição do Brasil está muito parecida com a do Oriente Médio e em linha com a dos BRICS. Primeiro, o estudo foi feito ao longo de 2016, quando o real se valorizou frente ao dólar em torno de 20%, o que, por si só, já justificaria um número maior de pessoas incluída nesse grupo. Outra questão importante é que muitas pessoas passaram a investir em fundos lastreados em ativos internacionais. Com o crescimento da economia mundial, isso também alavanca as fortunas", analisa Teixeira.

    O economista da FGV cita, por fim, um terceiro elemento que poderia explicar o aumento desse contingente de brasileiros endinheirados: a repatriação de recursos não declarados no exterior. O estudo da Capgemini atribui o aumento do número de milionários tanto no Brasil quanto no mundo a entradas das chamadas Big Techs no mercado de gestão de patrimônio, oferecendo altos retornos, com média de 24,3%, muitas vezes bem acima de investimentos tradicionais. Para Teixeira, essa é uma tendência que deve crescer nos próximos anos.

    "Se a gente pensar que hoje os computadores já estão definindo processos jurídicos e sentenças e que a tecnologia da informação já permite que você faça diagnósticos médicos muito apurados e em alguns casos dispensando até o homem, a gente deve acreditar que a tecnologia amanhã possa ser o melhor orientador de investimento, já que tem condições de fazer cálculos e projeções com rapidez muito maior do que a do ser humano e corrigir rapidamente também o rumo quando alguma coisa sai de controle", finaliza o economista.

    Mais:

    Conheça os bilionários do BRICS
    Bilionários fogem de todos os cantos de mundo para novo paraíso fiscal
    Tags:
    consultoria, fortunas, taxas de câmbio, investimento, recessão, tecnologia, Capgemini, FGV, Ricardo Teixeira, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik