01:58 20 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Temer pronunciamento na TV

    'Show do Milhão': Temer abre cofres públicos para barrar segunda denúncia na Câmara

    Beto Barata/PR
    Brasil
    URL curta
    2129

    Diante de uma nova denúncia contra si, o governo do presidente Michel Temer (PMDB) voltou a abrir os cofres públicos para garantir os votos que podem levar ao arquivamento do segundo processo, oferecido no início do mês pela Procuradoria-Geral da República (PGR).

    Até o dia 22 de setembro, o Executivo empenhou um valor mensal de R$ 800,6 milhões, segundo levantamento da ONG Contas Abertas. O valor corresponde à liberação de emendas aos parlamentares, com o compromisso do Palácio do Planalto.

    Em comparação aos demais meses de 2017, o valor empenhado em setembro só perde para os meses de junho e julho – nos quais, coincidentemente, tramitou a primeira denúncia feita pela PGR contra Temer. À época, empenhou-se R$ 2 bilhões e R$ 2,2 bilhões, respectivamente.

    Embora previstas em lei, a liberação de emendas em proporções tão dissonantes ao longo do ano demonstram que o governo está “reaquecendo” a “máquina de empenho e pagamento de emendas”, na opinião de Gil Castello Branco, secretário-geral da ONG Contas Abertas.

    "As emendas são impositivas, mas a liberação é feita de forma estratégica", avaliou.

    Ao jornal O Estado de S. Paulo, o ministro Antonio Imbassahy, da Secretaria de Governo, negou que os empenhos tenham relação com a votação na Câmara, afirmando que eles dizem respeito à "capacidade dos deputados de conseguir nos órgãos setoriais o compromisso de que suas emendas serão pagas".

    No dia 14 de setembro, o então procurador-geral da República, Rodrigo Janot, denunciou Temer e outras oito pessoas – dentre as quais os ministros Eliseu Padilha e Moreira Franco, além do dono da JBS Joesley Batista – pelos crimes de organização criminosa e obstrução de Justiça. Todos negam as acusações.

    Já lida no plenário da Câmara, a denúncia agora tramita na Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ), onde o presidente da República terá prazo de dez sessões do Plenário para apresentar sua defesa. Em seguida, a CCJ deverá, no prazo de cinco sessões do Plenário, votar o parecer do relator, ainda a ser designado. 

    Independentemente do parecer, o plenário da Câmara deverá decidir se autoriza ou não a abertura de processo no Supremo Tribunal Federal (STF) contra Temer, como determina a Constituição. A primeira denúncia, por corrupção passiva, acabou arquivada.

    Mais:

    Foi golpe? Ao lado de Cunha, Temer tramou queda de Dilma 'diariamente', diz Funaro
    Temer será investigado por suspeita de corrupção em decreto sobre portos
    Temer recebeu R$ 31,5 milhões por liderar organização criminosa do PMDB, diz PF
    Tags:
    emendas, Operação Lava Jato, política, corrupção, STF, PGR, Câmara dos Deputados, Contas Abertas, Antonio Imbassahy, Joesley Batista, Moreira Franco, Eliseu Padilha, Gil Castello Branco, Michel Temer, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik