22:34 14 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Lula e Fernando Haddad em comício durante a campanha eleitoral de 2016

    'Seria uma grande deselegância com Lula', diz Haddad sobre candidatura em 2018 (VÍDEO)

    © Foto: Ricardo Stuckert
    Brasil
    URL curta
    2785

    O ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, voltou a minimizar a possibilidade de ser o candidato do Partido dos Trabalhadores (PT) nas eleições presidenciais de 2018, caso o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva seja impedido por condenações na Justiça.

    Em entrevista ao jornalista Kennedy Alencar, do SBT, o petista destacou que o momento é de buscar "o que nos parece mais justo, que é uma revisão da sentença", em referência à condenação impostos pelo juiz Sérgio Moro a Lula, no âmbito da Operação Lava Jato.

    "Estamos trabalhando [para que] ele possa, depois de tantos anos de investigação, apresentar-se legitimamente. Ser derrotado ou ser eleito, não importa. Mas eu penso que, para a democracia brasileira, seria um ganho extraordinário, porque todas essas cicatrizes que foram abertas vão se fechando pelo processo democrático, com a participação da população", disse.

    Para Haddad, qualquer atitude diferente desta seria um "grande deselegância", relembrando que Lula apostou no então ministro da Educação para ser candidato à Prefeitura de São Paulo, em 2012. Ele acabou sendo eleito naquele pleito.

    "Não estamos trabalhando com essa hipótese [Lula impedido], porque, primeiro, seria uma grande deselegância com o presidente Lula, do qual eu fui ministro. E você sabe que eu me elegi prefeito, em 2012, muito pela ação do Lula junto ao partido, em me lançar candidato a prefeito. Então, seria uma enorme deselegância", destacou.

    Haddad deu a entender que existem "coisas muito palpáveis" contra outros políticos brasileiros, ao passo que, no caso de Lula, as acusações girariam em torno de "suposição".

    "Você pegou R$ 51 milhões em dinheiro; pegou uma conta na Suíça em nome de um truste com um cartão de crédito da sua família inteira […] são coisas muito palpáveis. É inapelável, acabou. Outra coisa é quando você condena por suposição, suposição de que o Lula estava trocando de apartamento, e isso tem a ver com a Petrobras. É muita coisa! Precisa ser provado para se condenar", pontuou.

    O ex-prefeito de São Paulo reconheceu que o PT deveria reconhecer erros que cometeu, como não ter realizado a reforma política quando tinha força para tal, ou por indicações de nomes hoje condenados pela Operação Lava Jato, e avaliou que a sua derrota nas eleições do ano passado se deu, em parte, à candidatura de Marta Suplicy (PMDB).

    Sobrou tempo para Haddad alfinetar o vencedor daquele pleito paulistano, o tucano João Doria – outro que é mencionado como possível nome para o Palácio do Planalto em 2018. Para o petista, o empresário “não tem nenhuma experiência administrativa na gestão pública” e “realmente fala coisas sobre as quais ele não entende”.

    "O próprio Fernando Henrique [Cardoso] falou que ele é um bom gestor de Facebook, não é? Isso não sou eu dizendo, é o Fernando Henrique, que é do partido dele. Diz que ele gere bem o celular […] a julgar pelo que ele está fazendo até com o [governador de São Paulo Geraldo] Alckmin, eu acho que ele até está me tratando bem", completou.

    Mais:

    Palocci afirma ter entregue dinheiro vivo a Lula, diz jornal
    Lula depõe por 2h, diz 'ter pena' de Palocci e questiona Moro: 'O senhor será imparcial?'
    Lula x Moro: afinal, julgamento é político ou não?
    Tags:
    corrupção, ficha suja, Operação Lava Jato, política, Eleições 2018, PT, Marta Suplicy, João Doria, Fernando Haddad, Luiz Inácio Lula da Silva, São Paulo, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik