02:40 20 Fevereiro 2018
Ouvir Rádio
    Ato unificado de centrais sindicais em São Paulo no Dia Nacional de Luta, Protestos e Greves

    Dia de lutas dos trabalhadores contra reformas de Temer agita cidades brasileiras

    © Foto: Adonis Guerra/SMABC
    Brasil
    URL curta
    14110

    Servidores e trabalhadores de várias categorias, especialmente da área da indústria, como os metalúrgicos, promovem hoje uma série de atos pelo Brasil como parte do Dia Nacional de Lutas, Protestos e Greves, contra a reforma da Previdência e outras medidas de austeridade adotadas pelo atual governo brasileiro.

    Desde as primeiras horas desta quinta-feira, ativistas estão indo às ruas em várias cidades brasileiras para protestar contra reformas, privatizações, demissões e demais ações impopulares levadas a cabo em pouco mais de um ano de administração Michel Temer. 

    Em estados como Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais, Pernambuco e Goiás, entre outros, representantes de movimentos sociais e sindicatos, ligados principalmente ao setor industrial, realizaram discursos, passeatas, panfletagens e ocupações com o objetivo de chamar a atenção das autoridades e mobilizar a população contra a redução de direitos dos trabalhadores. A expectativa é a de que os atos sigam durante todo o dia.

    A mobilização contra a reforma trabalhista foi convocada pelo movimento Brasil Metalúrgico, integrado por sindicatos, federações e confederações, como a CNTM, Confederação Nacional dos Trabalhadores Metalúrgicos da Força Sindical, presidida por Miguel Torres, que falou com exclusividade para a Sputnik Brasil sobre o foco das manifestações de hoje:  

    "Conseguimos unificar o nosso setor, independente da corrente ideológica, central sindical ou partidária. E o resultado da unidade foi esse ato hoje, no Brasil todo, com a participação dos trabalhadores metalúrgicos e também de outras categorias que estão se incorporando ao nosso calendário porque também estão passando por muitas dificuldades e, neste momento, a unidade é um fator muito importante", disse Torres.

    De acordo com o sindicalista, a cada ano que passa, a influência da indústria na economia brasileira é menor. E essa participação, segundo ele, tende a piorar com as reformas que vêm sendo adotadas.

    "Para se ter uma ideia, há 15 ou 16 anos, o peso da indústria no PIB era de 27, 28%. Neste ano, vai ser menos de 7%. Isso quer dizer que nós estamos produzindo menos no país, tendo menos emprego no país, e comprando de fora e gerando mais emprego lá fora", acrescentou, destacando que as dificuldades que afetam os trabalhadores brasileiros não são específicos do setor industrial, uma vez que os problemas são generalizados. 

    Também em entrevista à Sputnik Brasil, o secretário-geral da Central Única dos Trabalhadores de São Paulo (CUT-SP), João Cayres, disse que as reformas do governo Temer, e, mais especificamente, a trabalhista, só beneficiam "um lado da moeda", o lado mais forte, dos empresários. Segundo ele, a partir do dia 11 de novembro, quando essas mudanças entrarem em vigor, os trabalhadores vão sentir na pele o real significado dessas alterações na legislação trabalhista.

    "Por isso que nós estamos esclarecendo e mobilizando os sindicatos, para que façam uma campanha de sindicalização, para aumentar os esforços e os trabalhadores estarem envolvidos", afirmou Cayres. 

    Mais:

    Temer quer retirar direitos dos trabalhadores e dos estudantes, diz nova presidente da UNE
    Greve Geral: Trabalhadores relatam transtornos com as paralisações de norte a sul do país
    Temer sanciona lei da terceirização sem garantias para trabalhadores
    Tags:
    manifestação, protestos, lutas, trabalhadores, reforma da previdência, reforma trabalhista, sindicatos, Miguel Torres, João Cayres, Michel Temer, Goiás, Pernambuco, Minas Gerais, São Paulo, Rio de Janeiro, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik