17:05 23 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    Ex-presidente Lula chega para prestar o seu segundo depoimento ao juiz federal Sérgio Moro, em Curitiba

    Lula depõe por 2h, diz 'ter pena' de Palocci e questiona Moro: 'O senhor será imparcial?'

    © Foto: Ricardo Stuckert / Fotos Públicas
    Brasil
    URL curta
    781649234

    O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva depôs por duas horas e 15 minutos nesta quarta-feira, em seu segundo encontro com o juiz Sérgio Moro, na 13ª Vara Federal de Curitiba. O petista chamou o processo de "ilegítimo e injusto", mas aceitou responder perguntas feitas por Moro, pelo Ministério Público Federal (MPF) e pela sua defesa.

    "Apesar de entender que o processo é ilegítimo e injusto, eu pretendo falar. Talvez eu seja a pessoa que mais queira a verdade neste processo", disse Lula logo no início do interrogatório, quando o juiz informou que o ex-presidente poderia ficar em silêncio, de acordo com informações do G1.

    O depoimento terminou por volta das 16h25 desta quarta-feira, e durou aproximadamente a metade das cinco horas do primeiro depoimento presencial a Moro, realizado também em Curitiba no dia 10 de maio.

    Entre os principais assuntos respondidos por Lula, o petista teria questionado Moro "se seria julgado por um juiz imparcial". A resposta do magistrado foi a seguinte: "eu nem precisava responder a essa pergunta, mas a resposta é sim", afirmou Moro, de acordo com relato publicado pelo UOL.

    Em outros momentos, Lula teria dito que "tem pena" do ex-ministro Antônio Palocci – que prestou um depoimento bombástico na semana passada, e com forte peso incriminatório contra o ex-presidente –, e criticou a postura do MPF que estaria apenas focado em incriminá-lo.

    "Aquele PowerPoint é uma mentira", disse Lula, em referência ao slide apresentado no ano passado pelo procurador Deltan Dallagnol, e que gerou forte controvérsia à época.

    De acordo com o jornal O Estado de S. Paulo, o petista não respondeu a todas as perguntas que lhe foram feitas ao longo do interrogatório.

    No processo que envolve esse segundo depoimento, Lula é réu por corrupção passiva e lavagem de dinheiro sobre contratos entre a empreiteira e a Petrobras. Segundo o MPF, os repasses ilícitos da Odebrecht chegaram a R$ 75 milhões em oito contratos com a estatal.

    De acordo com a Força-Tarefa da Operação Lava Jato, os repasses incluem a compra de um terreno de R$ 12,5 milhões para Instituto Lula e de cobertura vizinha à residência de Lula em São Bernardo do Campo (SP), de R$ 504 mil.

    Em maio passado, Lula falou durante cinco horas a Moro, na ação que envolveu o tríplex do Guarujá. O juiz condenou o ex-presidente a nove anos e meio de prisão, com a acusação de ter recebido R$ 3,7 milhões em propina da OAS, por meio de reformas no apartamento e mobiliário comprado pela empreiteira.

    Moro e Lula ainda devem se encontrar frente a frente uma terceira vez, já que corre na Justiça Federal do Paraná uma terceira ação penal, que trata dos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro, envolvendo obras no sítio de Atibaia (SP).

    Mais:

    Lula é denunciado por corrupção passiva pelo MPF na Operação Zelotes
    O filme da Lava Jato é uma 'tentativa de descredibilizar o ex-presidente Lula'?
    Deputado do PT: Lula só não concorrerá em 2018 se ele mesmo não quiser
    Tags:
    Operação Lava Jato, propina, política, corrupção, MPF, Odebrecht, Instituto Lula, PT, Deltan Dallagnol, Sérgio Moro, Antonio Palocci, Luiz Inácio Lula da Silva, Curitiba, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik