12:39 24 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Movimento de apoio à UERJ cresce nas redes sociais

    Sindicato dos professores entra no mutirão em defesa da UERJ

    Tânia Rêgo/Agência Brasil/Fotos Públicas
    Brasil
    URL curta
    431

    O Sindicato Estadual dos Profissionais de Educação (SEPE) entrou na luta e está apoiando o Manifesto em Defesa das Universidades Públicas Estaduais, lançado pela Comissão de Educação da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (ALERJ). O documento é assinado pelo presidente do colegiado, Comte Bittencourt (PPS), e mais 14 parlamentares.

    A reação do SEPE se soma a de diversos segmentos da sociedade, que têm se manifestado contra a proposta do governo federal de “rever a tarefa do ensino superior” no estado.  A proposta — que libera ajuda de R$ 3,5 bilhões e adia por três anos, mais três renováveis, a renegociação da dívida do Rio de Janeiro com a União — exige algumas contrapartidas, como a privatização da Cedae, o congelamento do reajuste dos servidores, proibição de novos concursos públicos, entre outras medidas.

    Em entrevista à Sputnik, Dorotéa Santana, membro da coordenação do SEPE, e ex-aluna da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), diz que a proposta do governo federal causou um sentimento geral de indignação e revolta entre professores e alunos.

    "Vamos abraçar, sim, essa luta. Não vamos deixar mais uma vez os governos que não apoiam alunos das classes populares e querem fechar oportunidades para esses alunos. Tenho alunos da rede estadual estudando hoje nas universidades públicas. Vamos resistir e não vamos aceitar mais um ataque dos governos estadual e federal. Esse manifesto terá uma grande divulgação nas redes, por conta dos alunos, e faremos manifestações nas ruas. São governos que não gostam dos pobres, e isso está claro", diz Dorotéa.

    A integrante do SEPE também discorda da proposta defendida pelo governador Luiz Fernando Pezão (PMDB) de que os alunos que se formaram na UERJ paguem o investimento feito pelo Estado com a prestação de trabalhos sociais ao governo.

    "Muitos alunos da UERJ hoje já fazem esse trabalho. Tenho ex-alunos meus que estão indo para as escolas compartilhando conhecimento sem essa questão da obrigatoriedade. Isso me parece uma barganha, e nossos alunos não estão para isso. Você tem alunos dando aulas de graça no ENEM com turmas de mais de 200 alunos. O Estado não deveria fechar os olhos para isso", afirma a professora de História.

    Com relação ao aumento crescente da participação de grupos estrangeiros comprando instituições de ensino no Brasil, a integrante do SEPE garante que o sindicato não apoia as privatizações e defende o investimento público.

    "Nós pagamos impostos e onde foi parar esse dinheiro? Em Bangu (complexo penitenciário em que está preso o ex-governador Sérgio Cabral), infelizmente. O dinheiro está lá e nos jantares em Paris, nos anéis, nas malas de dinheiro, e os hospitais e a educação sofrendo todos os dias", alfineta a coordenadora do SEPE.

    Dorotéa diz que a população está farta desse clima de corrupção e lembra que em 2013, por conta ao aumento de R$ 0,25 nas passagens de ônibus, a reação foi imediata, com mais de 30 mil pessoas indo às ruas só no Rio de Janeiro.

    Mais:

    Após foto viral, professor da UERJ se emociona e pede solução para salários atrasados
    'UERJ está vivendo um quadro mórbido e dramático'
    Tags:
    redes sociais, governo, endividamento, universidades, sociedade, educação, UERJ, Sindicato Estadual dos Profissionais de Educação (SEPE), Luiz Fernando Pezão, Dorotéa Santana, Rio de Janeiro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar