16:20 23 Maio 2019
Ouvir Rádio
    Militares brasileiros da missão MINUSTAH, Haiti.

    Exército confirma tentativa de furto, mas nega ataque a base ocupada pelo Brasil no Haiti

    © Sputnik / Igor Patrick
    Brasil
    URL curta
    Igor Patrick
    Especial Sputnik no Haiti (9)
    930

    Falando com exclusividade à Sputnik Brasil, o comandante do 26º Contingente do Batalhão Brasileiro de Força de Paz (BRABAT 26), coronel Alexandre Cantanhede retificou informação reproduzida pela imprensa brasileira quanto a um ataque à base ocupada pelo Brasil em Port-de-Paix, comuna ao noroeste do país.

    Como a Sputnik mostrou com exclusividade na semana passada, o Brasil assumiu provisoriamente bases anteriormente ocupadas por forças de outro país. A empreitada deve garantir a segurança das instalações até que a Missão das Nações Unidas para Estabilização do Haiti (Minustah) seja permanentemente encerrada na primeira quinzena de outubro.

    De acordo com o coronel Cantanhede, que lidera as tropas do último contingente brasileiro no país, os militares ocupavam a base da Polícia do Paquistão em Port-de-Paix entre 13 e 23 de agosto. Durante a transição, um grupo de haitianos tentou furtar objetos dentro da base.

    "A tropa tomou todas as medidas previstas dentro da regra de engajamento […]. Primeiro você verbaliza, depois, mantendo a violência, spray de pimenta até a munição de borracha que foi nós finalizamos e conseguimos evitar qualquer tipo de ação contra a base. O que fica bem claro é que não ouve nenhum tipo de ataque á base, mas sim a ação de delinquentes que tentaram furtar objetos".

    A fala do coronel completa uma declaração do comandante militar da missão de paz da ONU no Haiti, general Ajax Porto Pinheiro, que durante uma coletiva teria falado em atitude "agressiva contra a tropa" por haitianos. Fontes da Sputnik em Porto Príncipe confirmaram se tratar de uma interpretação incorreta da imprensa presente na coletiva com o general.

    De volta para casa

    Na noite desta quinta-feira, uma cerimônia na capital, Porto Príncipe, marcará o início oficial da desmobilização do batalhão brasileiro. O evento contará com a presença do ministro da Defesa, Raul Jungmann, que viajou para o Haiti na companhia de uma comitiva formada por militares e civis.

    85% dos 981 militares brasileiros voltam ao Brasil até dia 15 de setembro. Outros 152 retornam na primeira quinzena de outubro. A missão está marcada para terminar dia 15/10.

    Tema:
    Especial Sputnik no Haiti (9)

    Mais:

    Estaria o Brasil prestes a encerrar a política de vistos a haitianos? (EXCLUSIVO)
    Missão de paz no Haiti chega ao fim após 13 anos
    Especialista sobre missão no Haiti: ‘são 13 anos de dor, de sofrimento, de ocupação’
    Tags:
    Missão das Nações Unidas para Estabilização do Haiti, Minustah, Polícia do Paquistão, BRABAT, Ministério da Defesa, ONU, General Ajax Porto Pinheiro, Coronel Alexandre Oliveira Cantanhede Lago, Raul Jungmann, Port-de-Paix, Porto Príncipe, Haiti, Paquistão, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar