11:18 13 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Professores da rede estadual e municipal do Rio (foto de arquivo)

    Da sala de aula para as ruas: Professores do Rio aderem a paralisação a partir das 11h

    © Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil
    Brasil
    URL curta
    2 0 0

    Com salários atrasados e perspectiva de cortes de investimento pela Secretaria de Estado de Educação, professores saem das salas de aula e vão para as ruas cobrar atenção do governador Luiz Fernando Pezão. A Sputnik conversou com o Sindicato Estadual dos Profissionais da Educação do Rio de Janeiro para entender as demandas em pauta.

    Em entrevista exclusiva à Sputnik Brasil, a professora Barbara Sinedino, que integra a Coordenadoria-Geral do SEPE, explicou as razões da mobilização.

    “O primeiro motivo da paralisação (…) é a falta de pagamento. Funcionários ativos e aposentados estão com salários atrasados e nós vivemos uma situação de fome, vivendo de cesta básica, o que já é um segundo grande motivo. Só estes fatos já são suficientes para justificar nossa paralisação.”

    De acordo com Sinedino, também "a situação na Educação se agrava rapidamente e, por isso, estamos preparando um movimento unificado que, primeiro, será dos funcionários da Educação de todos os níveis (Ensino de Primeiro, Segundo e Terceiro Graus), incluindo além dos professores todo pessoal de apoio como merendeiras, funcionários administrativos, etc. Na sequência, vamos nos juntar a todos os demais servidores do Estado, ativos e inativos, em busca da regularização dos nossos direitos e do pagamento dos nossos salários”.

    A professora também alega revolta com o fechamento das escolas pela Secretaria de Estado de Educação. "Menos Escolas é menos Educação, menos Ensino e menos oportunidade de trabalho para nós, profissionais da educação”.

    De acordo com a Coordenadora do SEPE, já se fala na ampliação do movimento dos professores.

    “Nós, servidores do Estado do Rio, estamos deliberando um dia, ainda neste mês de agosto, para uma paralisação total, de todas as categorias de funcionários do Estado. Será um dia em que todo funcionalismo não trabalhará com o objetivo de mostrar à população em que condições estamos nos mantendo.”

    Os Professores do ensino público do estado do Rio trocarão as salas de aulas por manifestações públicas nesta terça-feira. Às 11 horas, estarão reunidos no Largo do Machado e, de lá, seguirão a pé para o Palácio Guanabara (sede do governo estadual, na Rua Pinheiro Machado) onde pretendem fazer pronunciamentos e protestos contra o governador Luiz Fernando Pezão.

    Mais:

    Opinião: criatividade na crise vai garantir o carnaval de rua no Rio de Janeiro
    Alerj começa votar medidas de austeridade do Governo do Rio contra crise
    Tags:
    Palácio Guanabara, Secretaria de Estado de Educação, SEDUC, Sindicato Estadual dos Profissionais da Educação do Rio de Janeiro (SEPE), Governo do Estado do Rio de Janeiro, Barbara Sinedino, Rio de Janeiro, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik