10:53 16 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Temer viagens

    Temer diz que é impopular pelas reformas e revela 'torcida' pela saída de Janot

    Marcelo Camargo/Agência Brasil
    Brasil
    URL curta
    1807

    O presidente brasileiro Michel Temer (PMDB) colocou nas reformas que o seu governo vem tocando a culpa pela sua alta impopularidade junto à população, e revelou que a Operação Lava Jato “vai voltar ao rumo certo” após a saída do procurador-geral da República, Rodrigo Janot.

    Essas e outras ponderações foram feitas por Temer em uma entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, publicada na noite desta sexta-feira. Dois dias antes, o peemdebista obteve uma vitória na Câmara dos Deputados, ao conseguir barrar a denúncia feita pela Procuradoria-Geral da República (PGR) por corrupção passiva.

    “O que me prende ao cargo é muito mais a defesa da minha reputação moral. A denúncia é pífia, inepta. Se vier uma nova, vamos enfrentá-la. Eu me sinto muito constrangido, porque tentam imputar-me uma pecha de corruptor, de alguém que está violando os limites da lei, quando não sei bem quem é que está violando os limites da lei. Eu não sou”, disse.

    Janot deixará o comando da PGR no dia 17 de setembro, quando termina o seu mandato. Ele será substituído por Raquel Dodge, o que para Temer significa que as apurações voltarão a um estágio de normalidade. O presidente deu a entender que as recentes ações de Janot foram puramente políticas, sem se prender aos aspectos legais.

    “Pelo que conheço da procuradora Raquel Dodge, ela vai cumprir rigorosamente o que a lei estabelece. Onde houve delito ela vai continuar investigando. Não tenho a menor dúvida disso. Acho que, pelo histórico dela e conhecimento jurídico, ela vai cumprir rigorosamente as funções que competem ao procurador-geral”, destacou.

    Temer não aceitou ainda a comparação da sua impopularidade com a da antecessora, Dilma Rousseff (PT). Antes do impeachment da petista, ele chegou a dizer que era impossível governar o país com números tão baixos (8% de aprovação tinha Dilma à época). O peemedebista possui números ainda piores hoje, mas não se diz abatido.

    “É que há uma diferença entre a impopularidade daquela época e a desta. Acredito que a minha impopularidade, para usar o vocábulo, decorre das reformas que estou fazendo. Portanto, o reconhecimento virá depois”, comentou, acreditando ainda que a falta de protestos contra ele nas ruas seja uma prova da sua teoria.

    O presidente disse ainda não ter medo das eventuais delações do ex-deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e do operador do partido, Lúcio Funaro – ambos presos por envolvimento na Lava Jato. Ele também negou estar pensando nas eleições de 2018 ou se o PSDB deixará mesmo o governo. E mandou um recado ao chamado ‘Centrão’, grupo formado pelo baixo clero da Câmara.

    “Não sou refém de nenhum partido”, concluiu.

    Mais:

    Situação e Oposição concordam: não há o que comemorar com a vitória de Temer na Câmara
    Deputado que tatuou 'Temer' no ombro recebeu R$ 7 milhões em emendas
    Para o Psol, rejeição de denúncia contra Temer vai ferir de morte o Congresso
    Tags:
    política, Operação Lava Jato, corrupção, impeachment, PSDB, PMDB, Câmara dos Deputados, STF, PGR, Dilma Rousseff, Lúcio Funaro, Eduardo Cunha, Raquel Dodge, Rodrigo Janot, Michel Temer, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik