01:32 02 Dezembro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    15511
    Nos siga no

    Em tumultuada sessão, o Senado aprovou nesta terça-feira (11) o texto principal da reforma trabalhista por 50 votos a 26.

    A sessão de votação da reforma trabalhista no plenário foi retomada após seis horas de paralisação por conta de protestos de senadoras da oposição. A votação foi a última etapa antes de o texto seguir para sanção do presidente.

    A senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), ao encaminhar seu voto, classificou como "vergonha" o que acontece na nação brasileira e no parlamento, com o avanço da reforma trabalhista do governo Temer. Segundo ela, a matéria precisa ser mais debatida e afirma que estão sendo retirados direitos dos brasileiros.

    "A classe dominante deste país não tem projeto para o país", disse a senadora, acrescentando que Michel Temer é um presidente "de quinta categoria". 

    Em tumultuada sessão, o texto principal da reforma trabalhista foi aprovado por 50 votos a 26. Houve uma abstenção.   

    Junto com a reforma da Previdência, a reforma trabalhista é uma das principais apostas do governo Michel Temer para o sucesso da sua agenda econômica. Segundo o presidente e demais defensores da medida, o mercado de trabalho brasileiro precisa passar por mudanças profundas para se adequar às novas realidades. 

    Para os opositores, entretanto, a reforma tirará direitos e garantias históricos do povo brasileiro, deixando o trabalhador mais vulnerável e só gerando benefícios para os empregadores.

    Mais:

    Protocolada ação contra senadoras por protesto contra reforma trabalhista
    Sessão para votar reforma trabalhista começa tumultuada no Senado
    Oposição recorre ao STF para adiar votação da Reforma Trabalhista
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar