10:30 16 Agosto 2018
Ouvir Rádio
    Michel Temer e Eduardo Cunha, na Câmara dos Deputados, em Novembro de 2015.

    Delação de Eduardo Cunha tem mais de 100 anexos e atinge Temer, diz jornal

    Antonio Cruz/ Agência Brasil
    Brasil
    URL curta
    Michel Temer e o silêncio de Eduardo Cunha (69)
    440

    O ex-presidente da Câmara e deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) está na fase final da redação dos textos que integrarão o acordo de delação premiada com os investigadores da Operação Lava Jato, informou o jornal Folha de S. Paulo nesta quinta-feira.

    Segundo a publicação, a contribuição de Cunha já conta com o expressivo número de 100 anexos e a expectativa é que o ex-deputado, preso desde outubro de 2016 em Curitiba, entregue provas já a partir da próxima semana.

    O jornal afirma ainda que o teor da delação de Cunha deverá atingir diretamente o presidente Michel Temer (PMDB), os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco (Secretaria Geral), além do senador Romero Jucá (PMDB-RR).

    O ex-presidente da Câmara, responsável pela deflagração do processo que culminou no impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), tende a confessar os seus crimes, como negociações para o recebimento de propinas, e dar detalhes sobre grandes negociações políticas.

    Além desta delação premiada, outra que pode atingir diretamente o governo federal é a do doleiro Lúcio Funaro, que vem negociando há algumas semanas o teor da sua colaboração com os investigadores da Lava Jato.

    Tema:
    Michel Temer e o silêncio de Eduardo Cunha (69)

    Mais:

    Lava Jato: Cunha depõe em Curitiba e nega 'venda de silêncio' à JBS
    MPF vai recorrer após 'coração generoso de Moro' absolver mulher de Cunha
    Mais pressão: Ministros de Temer são investigados por relação com a JBS
    Tags:
    impeachment, Operação Lava Jato, política, corrupção, Polícia Federal, PGR, MPF, PMDB, Dilma Rousseff, Lúcio Funaro, Eliseu Padilha, Moreira Franco, Romero Jucá, Michel Temer, Eduardo Cunha, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik