00:22 13 Julho 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    802
    Nos siga no

    O ex-presidente da Fundação Nacional do Índio (Funai), Antônio Fernandes Costa, criticou duramente a falta de uma política governamental no Brasil para as populações indígenas, o que também torna a própria fundação um mero “balcão de negócios”, segundo ele.

    As declarações foram feitas nesta segunda-feira, durante a audiência pública na Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH) do Senado, em Brasília.

    Costa elogiou as ONGs internacionais que buscam cumprir o papel que o Estado brasileiro não cumpre e chamou a atenção para as omissões recorrentes na esfera governamental, a começar pelo Ministério da Agricultura, voltado apenas ao agronegócio e sem, por exemplo, interesse em uma política à agricultura familiar indígena.

    “O que esse ministério faz pra desenvolver as terras indígenas que são produtivas, para que haja sustentabilidade naquelas terras? É zero de investimentos, no máximo emendas parlamentares”, afirmou o ex-presidente da Funai, que deixou o cargo recentemente, após um violento confronto entre índios e fazendeiros no Maranhão.

    Ele revelou que governo estrangeiros possuem interesse em investir em pautas indígenas, como acontece costumeiramente em outras áreas, como a do meio ambiente. Porém não o fazem porque “não existe nenhuma política de fato” por parte do governo federal.

    Costa ainda manteve o tom adotado na sua saída da Funai – organismo este “sucateado”, segundo ele –, reafirmando que foi alvo de “uma forte pressão” do líder do governo no Congresso, deputado André Moura (PSC-SE).

    “A atual situação é desastrosa na área indígena e pode criar sérios conflitos sociais, devido a esta ingerência política”, comentou, dizendo ainda que o objetivo final da atual ausência de política indígena é desmantelar de vez a Funai – cenário que já existia no governo Dilma Rousseff (PT), por acordos com os ruralistas, e que se aprofunda com Michel Temer (PMDB).

    Ele ainda aproveitou a oportunidade para rebater o motivo da sua demissão (“falta de competência gerencial”, segundo o governo). “Se ser incompetente é não concordar com malfeitos, então serei sempre incompetente”, sentenciou.

    Mais:

    OAB quer ação da Anistia Internacional em defesa dos índios
    'Houve tentativa de massacre', diz missionária após ataque contra índios no Maranhão
    Policiais e índios trocam tiros e flechadas em Brasília
    Tags:
    política, bancada ruralista, direitos humanos, indígenas, índios, índio, Senado, Ministério da Agricultura do Brasil, FUNAI, Dilma Rousseff, Michel Temer, Antônio Fernandes Toninho Costa, Osmar Serraglio, André Moura, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar