00:47 29 Junho 2017
Ouvir Rádio
    Presidente do Brasil, Michel Temer, chega a Moscou, 20 de junho 2017

    Para especialista, Rússia anula tendência do PSDB de se aproximar dos EUA

    © Sputnik/ Vitaly Belousov
    Brasil
    URL curta
    Temer visita Moscou (16)
    383599362

    O avião do presidente brasileiro Michel Temer acabou de aterrissar em Moscou cerca do meio-dia (horário local) e o líder do Brasil realizará encontros com funcionários russos de alto escalão para supostamente fortalecer a parceria Brasil-Rússia.

    Na véspera dos encontros a Sputnik Brasil falou com Fabiano Mielniczuk, especialista do Clube de Discussão Internacional de Valdai, Diretor da Audiplo e professor da ESPM-Sul para saber mais sobre as razões, peculiaridades e objetivos desta visita. Leia a íntegra: 

    "Eu vejo a visita do presidente Temer como um agradecimento em relação ao apoio dado pela Rússia na recente crise gerada pela operação Carne Fraca no Brasil. A Rússia foi o único grande importador de carne brasileira que confiou inteiramente no governo do Brasil e não suspendeu a compra de carnes. 

    Isso poderia significar uma mudança nas relações entre os dois países, pois desde o impeachment da Presidente Dilma Roussef o Brasil tem sido visto pela Rússia com desconfiança, por ter se aproximado demais dos Estados Unidos e abandonado o desejo de ser um dos líderes mundiais em uma ordem multipolar (juntamente com a Rússia e a China).

    Apesar disso, a imprensa brasileira enxerga a visita como uma tentativa de o presidente Temer aparentar normalidade em seu governo, que está sob grave ameaça de um pedido de denúncia da Procuradoria Geral da República. Nas próximas semanas, a crise política brasileira tende a piorar.

    A política externa tem um papel pouco relevante no debate político atual do Brasil. Temer pretende utilizar o eventual aumento das exportações de carne do Brasil para a Rússia como uma vitória de seu governo para preservar os interesses do setor agropecuário, afetado negativamente com os últimos desdobramentos das delações da JBS. Porém, no médio prazo, isso enfraquece o direcionamento da política externa do PSDB, e pode acarretar no enfraquecimento de sua base de sustentação no congresso. Quem ganha com isso é a Rússia, que anula a tendência dos PSDbistas de se aproximarem dos EUA.

    A relação dos dois países tem sido marcada pelo princípio de não intervenção nos assuntos internos, e isso deve se manter. A ênfase dos comunicados oficiais será na aproximação econômica, com o Brasil oferecendo mais acesso a mercados brasileiros para produtos russos, em troca de maior participação do mercado de carne (60% da carne importada pela Rússia é proveniente do Brasil). Há também possibilidades de maior cooperação no setor da energia, especialmente petróleo e gás.

    Depois de muitos anos com diplomatas profissionais à frente do MRE, o governo Temer decidiu colocar políticos como chefes do ministério como maneira de garantir a manutenção de seu governo de coalizão. O MRE ficou com o PSDB, que cresceu politicamente nos últimos anos criticando a política externa do presidente Lula, declaradamente voltada para fomentar a multipolaridade em organismos como o BRICS. Foi sob Lula, também, que ocorreu a maior aproximação entre a Rússia e o Brasil. O PSDB denuncia claramente o afastamento do Brasil de seus parceiros tradicionais — como os EUA e a Europa — e critica as alianças do Brasil com países que têm relações conflituosas com os Estados Unidos. Isso preocupou a Rússia, que inclusive recebeu com desconfiança a substituição do presidente no Brasil. Porém, como a base de sustentação do governo Temer é muito frágil, a diplomacia russa percebeu que poderia ajudar o Presidente Temer e assim neutralizar a influência do PSDB na área externa, algo que está sendo alcançado via diplomacia presidencial (quando o presidente executa as funções de ministro das relações exteriores, algo que tem sido uma tradição nos governos brasileiros). Ao que tudo indica, a Rússia está alcançando os resultados que deseja, como a visita dessa semana indica. Mais uma vez, os russos estão dando uma aula de diplomacia para o resto do mundo".

    Tema:
    Temer visita Moscou (16)
    Tags:
    diplomacia, cooperação, Michel Temer, Rússia, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik