23:18 21 Maio 2018
Ouvir Rádio
    Alimentação saudável

    A guerra contra a obesidade infantil chegou às escolas públicas causando polêmica

    © Foto: Pixabay/Engin_Akyurt
    Brasil
    URL curta
    142

    ​Os Ministérios da Saúde e Educação tentam ampliar o monitoramento de obesidade entre alunos de escolas públicas e vão proibir a venda de salgadinho e refrigerantes em estabelecimentos de ensino.

    As ações incluem ainda parcerias entre as redes de ensino e equipes de saúde para avaliar, pelo menos uma vez por ano, o estado nutricional dos alunos da educação básica. A meta é alcançar 144 mil escolas neste ano e reduzir um índice preocupante: de acordo com uma estatística da Organização Mundial da Saúde, 33,5% das crianças do país têm sobrepeso e 8% são obesas.

    Para a doutora em nutrição e saúde pública e professora da Escola de Enfermagem da UFMG, Luana Caroline dos Santos, a proibição é o início de um processo de conscientização muito importante e que já não pode esperar. 

    "Nosso panorama é preocupante. Esta alta taxa de obesidade pode nos trazer, em pouco tempo, crianças com doenças que não tinham antes como diabetes, colesterol alto, problemas metabólicos, etc. Essas ações [de conscientização] tem que ser feitas pra ontem", afirma a acadêmica.

    Eficácia limitada

    No entanto, o alcance da medida por hora, será reduzido. Como o programa vale apenas para escolas públicas, estabelecimentos particulares, por hora, não precisam se adequar à regra. Com isso, deixa assim, de abarcar 21,5% (de acordo com o Censo Escolar 2016) do corpo discente na educação básica. Mas existem estratégias para amenizar o problema da obesidade por meio de medidas paliativas.

    Luane aconselha o reforço da questão da alimentação saudável em sala de aula. Para a especialista, a inclusão do tema nas disciplinas "ajudaria a formar crianças mais sensibilizadas".

    "É um processo. Do contrário, a criança pode até não comer [alimentos processados] na escola, mas pode comprar nos arredores, em casa, ela vai ter acesso. Esta conscientização pela alimentação saudável começa com o diretor, com o professor, com a pessoa que manipula o alimento na escola", avalia.

    "[A proibição da venda de salgadinhos e refrigerantes] o início. No curto prazo, tem mais efeito de alerta e sensibilização. A mudança de mentalidade vai acontecer a longo prazo. 70% das crianças e adolescentes obesos são adultos obesos, mas é possível que no futuro, graças à essa iniciativa, tenhamos uma redução", completa Luane.

    Enquete

    A preocupação com a obesidade dá ao governo o direito de proibir a venda de salgadinhos e refrigerantes nas escolas?
    • Sim, por se tratar de uma questão de saúde pública
      62.5% (614)
    • Não, é interferência desnecessária na liberdade individual
      37.5% (369)
    Votaram: 983

    Tags:
    Censo Escolar 2016, UFMG, Ministério da Educação, Ministério da Saúde, Escola de Enfermagem da UFMG, Organização Mundial da Saúde, Luana Caroline dos Santos, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik