14:49 14 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Deputado federal Celso Jacob, preso nesta terça-feira, 6 de junho de 2017, em Brasília

    Deputado Celso Jacob é preso pela Polícia Federal em Brasília

    CC BY 2.0 / PMDB Nacional - PEC 387- 09 / https://www.flickr.com/people/87134755@N04?rb=1
    Brasil
    URL curta
    470
    Nos siga no

    Foi preso nesta terça-feira, no aeroporto de Brasília, o deputado federal Celso Jacob (PMDB-RJ), condenado pelo Supremo Tribunal Federal por falsificação de documento público e dispensa ilegal de licitação, crimes que cometeu no período em que foi prefeito de Três Rios, no Rio de Janeiro, no início dos anos 2000.

    Condenado em 2006, Jacob teve um primeiro recurso negado em agosto de 2016. Em 23 de maio deste ano, a primeira turma do STF rejeitou outro recurso apresentado por sua defesa e ordenou a prisão do parlamentar, que terá que cumprir uma pena de sete anos e dois meses em regime semiaberto. 

    Em 2003, Jacob decretou estado de emergência, alegando deterioração de patrimônio público, para justificar a contratação sem licitação de uma construtora para finalizar a obra de uma creche, que havia sido abandonada pela empresa contratada para esse fim. No entanto, a Construtora e Incorporadora Mil, escolhida pela Prefeitura de Três Rios para realizar o trabalho de conclusão, tinha sido desclassificada na licitação inicial. De acordo com o Ministério Público Federal, o estado de emergência foi declarado sem necessidade, apenas para evitar a realização de uma nova licitação. O MPF alega que o prefeito decidiu finalizar a construção da creche, parada há vários meses, apenas porque seria candidato à reeleição no ano seguinte.

    Mais:

    Deputado ligado a Temer devolve mala com R$ 500 mil, diz jornal
    Primo de Aécio Neves também é preso em Minas
    Ex-gerente da Petrobras é preso em nova fase da Lava Jato por receber propina em contratos
    Tags:
    PMDB, MPF, STF, Construtora e Incorporadora Mil, Celso Jacob, Três Rios, Rio de Janeiro, Brasília, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar