07:58 19 Julho 2019
Ouvir Rádio
    Presidente Temer durante pronunciamento oficial, 18 de maio de 2017

    Temer diz à revista que não acredita que será alvo de delação

    Agência Brasil
    Brasil
    URL curta
    Michel Temer e o silêncio de Eduardo Cunha (69)
    706

    O presidente Michel Temer (PMDB) concedeu uma entrevista à revista "Istoé" em que afirma duvidar que será alvo de delação premiada. Temer também conversou sobre a situação política do país, as denúncias de que é alvo e a operação Lava Jato.

    Perguntado se teme uma delação do seu ex-assessor Rodrigo Rocha Loures, filmado pela Polícia Federal (PF) ao receber uma mala com R$ 500 mil, o presidente duvidou da possibilidade.

    "Não creio. Acho que ele é uma pessoa decente. Eu duvido que ele faça uma delação. E duvido que ele vá me denunciar. Primeiro, porque não seria verdade. Segundo, conhecendo-o, acho difícil que ele faça isso. Agora, nunca posso prever o que pode acontecer se eventualmente ele tiver um problema maior, e se as pessoas disserem para ele, como chegaram para o outro menino, o grampeador (Joesley Batista): “Olha, você terá vantagens tais e tais se você disser isso e aquilo”. Aí não posso garantir".

    O peemedebista também ressaltou que não acredita que existam semelhanças entre seu quadro e a situação de Dilma Rousseff às vésperas do impeachment. "No impeachment da ex-presidente havia milhões de pessoas nas ruas. Esse é um ponto importante, não é? Segundo ponto: não havia mais apoio do Congresso Nacional. No meu caso, não."

    Temer afirmou que não renunciou porque pretende buscar uma defesa no "aspecto moral". Questionado o motivo de não intervir ao escutar o empresário Joesley Batista narrar crimes, afirmou:

    "Não achei que seria uma gravidade tão imensa. Já ouvi tanta coisa na vida. Várias pessoas vêm me falar coisas. E meu estilo não é agressivo. “Olha, você está preso”. Isso eu não faço."

    Durante a entrevista, o presidente não descartou uma troca no comando da PF — uma atitude considerada por críticos como uma tentativa de cercear a operação Lava Jato.

    Tema:
    Michel Temer e o silêncio de Eduardo Cunha (69)

    Mais:

    Defesa de Temer pede suspensão de depoimento até fim de perícia em áudio
    Polícia Federal é autorizada a interrogar Temer
    Serraglio não aceita troca de ministério e tira foro de assessor de Temer
    Ministro Fachin divide investigações de Michel Temer e Aécio Neves
    Determinado com reformas, Temer diz que sua 'trajetória não será interrompida'
    Tags:
    Rodrigo Rocha Loures, Joesley Batista, Michel Temer
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar