08:13 18 Junho 2019
Ouvir Rádio
    Michel Temer durante cerimônia de posse de Torquato Jardim no cargo de Ministro da Transparência, Fiscalização e Controle

    Mídia: Possível prisão do 'homem da mala' pode causar novo terremoto contra Temer

    Marcelo Camargo/Agência Brasil
    Brasil
    URL curta
    Michel Temer e o silêncio de Eduardo Cunha (69)
    530

    O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pediu nesta quinta-feira a prisão de Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR), assessor do presidente Michel Temer (PMDB) e até semana passada deputado afastado pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

    Uma eventual prisão de Loures pode ter sérios impactos na política nacional, reporta a imprensa do Brasil nesta sexta-feira.

    O pedido de Janot é direcionado ao relator da Operação Lava Jato no STF, ministro Edson Fachin. O procurador pede que seja reconsiderada a solicitação feita em 17 de maio – à época indeferida por Fachin –, uma vez que Loures perdeu o foro privilegiado com o retorno de Osmar Serraglio (PMDB-PR) à Câmara dos Deputados.

    Se a prisão de Loures for decretada, crescem as especulações de que ele possa formalizar uma delação premiada, a fim de obter uma pena mais branda. O conteúdo que o ‘homem da mala’ poderia revelar aos investigadores estaria causando o temor de assessores de Temer em Brasília, segundo o blog da jornalista Andréia Sadi, do G1.

    “Segundo assessores ouvidos pelo blog, apesar de pressionado pela família, até agora Loures tem sinalizado a interlocutores de Temer que ainda não bateu o martelo: não se decidiu por uma colaboração premiada, mas não a descartou […]. Mas os próprios auxiliares do presidente admitem que, solto, o "estado de espírito" do ex-assessor é um, mas preso será outro”.

    Já a coluna Painel, do jornal Folha de S. Paulo, afirma que Temer e seus assessores acreditam que a prisão de Loures será decretada por Fachin. Contudo, o presidente da República estaria dizendo a aliados que o seu agora ex-assessor “não tem nada que possa comprometê-lo”, embora a detenção dele possa “detonar debandada de parte da base aliada que vinha torcendo por um “fato novo” que justificasse o desembarque do governo”.

    Há ainda o eventual impacto que uma eventual prisão de Loures possa causar no julgamento do dia 6 de junho, quando a chapa Dilma-Temer será alvo de análise do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Especulou-se na imprensa ao longo da semana que o tribunal poderia absolver ambos, ou ainda um pedido de vista poderia manter o suspense do caso.

    Uma potencial delação premiada de Loures também poderia abrir outra frente contra Temer: dependendo do conteúdo, ela poderia sustentar um pedido de investigação criminal do presidente junto ao STF, que poderia até ordenar o seu afastamento – este, por sua vez, teria de passar pelo crivo do Legislativo federal.

    Investigação

    Loures é investigado pela suposta prática de corrupção passiva, lavagem de dinheiro, organização criminosa e obstrução à investigação. O pedido de prisão dele e de outros investigados foram formulados por Janot com base em provas apresentadas executivos do grupo J&F e nas apurações da Polícia Federal.

    De acordo com o procurador-geral da República, Loures era homem de “total confiança” de Temer.

    “Em suma, Rodrigo Loures aceitou e recebeu com naturalidade, em nome de Michel Temer, a oferta de propina (5% sobre o benefício econômico a ser auferido) feita pelo empresário Joesley Batista, em troca de interceder a favor do Grupo J&F, mais especificamente em favor da EPE Cuiabá, em processo administrativo que tramita no Cade”, diz Janot. 

    Ainda segundo o procurador, após esse acordo inicial, em que o crime de corrupção se consumou, Loures ainda recebeu os valores da propina acertada do também colaborador e executivo da J&F, Ricardo Saud.

    Tema:
    Michel Temer e o silêncio de Eduardo Cunha (69)

    Mais:

    Serraglio não aceita troca de ministério e tira foro de assessor de Temer
    Ministro Fachin divide investigações de Michel Temer e Aécio Neves
    Determinado com reformas, Temer diz que sua 'trajetória não será interrompida'
    Possível sucessão antecipada de Michel Temer divide o Congresso
    Tags:
    joesley batista, Operação Lava Jato, política, corrupção, TSE, J&F, JBS, PGR, STF, Ricardo Saud, Osmar Serraglio, Luiz Edson Fachin, Rodrigo Janot, Rodrigo Rocha Loures, Michel Temer, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar