05:55 28 Junho 2017
Ouvir Rádio
    Consultoria McKinsey estima que 50% do trabalho no Brasil podem ser feitos por robôs

    Psiu... Tem um robô de olho no seu emprego

    Remy Gabalda/AFP
    Brasil
    URL curta
    449711

    Cada vez mais a sociedade terá que se conscientizar que automação veio para ficar e que vai exigir uma substituição crescente do homem pela máquina não só na indústria, como em diversos setores. A opinião é do economista Bruno Ottoni, pesquisador de economia aplicada do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (Ibre-FGV).

    Em entrevista à Sputnik Brasil, Otonni comenta o estudo divulgado pela consultoria McKinsey que mostra que metade dos postos de trabalho no Brasil, ou cerca de 53,7 milhões, já poderiam ser substituídos hoje por alguma espécie de robô. A indústria, com 69% do total de postos, é o segmento onde a automação tem mais chances de crescer, seguida pelos ramos de hotelaria e alimentação (63%) e transporte e armazenamento (61%). Essa reestruturação de funções, segundo a consultoria, será tão importante quanto a promovida pela chamada revolução verde na agricultura, em meados do século passado.

    "A automação é um fenômeno mundial. O processo de aprimoramento dos robôs está permitindo que eles ocupem cada vez um número maior de tarefas. No caso do Brasil, temos um grande número de tarefas que são levadas a cabo por trabalhadores menos qualificados, com um nível educacional mais baixo e que estariam mais sujeitos a esse tipo de substituição. Se queremos preservar postos de trabalho e entrar na economia do século 21, precisamos pensar em qualificar cada vez melhor nossa mão de obra", afirma Ottoni.

    O estudo da McKinsey — feito em 54% países, representando 78% do mercado de trabalho mundial — revela que quase 60% das profissões em todo o mundo poderiam ter 30% de suas operações automatizadas, e que, entre 2036 e 2066, metade dessas substituições deverá estar concluída, afetando 1,2 bilhão de trabalhadores no planeta, com um ganho de produtividade de 0,8% a 1,4% no período. O problema, segundo muitos especialistas, é o custo social dessa substituição. No ano passado, o tema foi discutido no Fórum Econômico Mundial de Davos, na Suíça, e as conclusões não foram animadoras: a automação pode causar o fechamento de 7,1 milhões de empregos no mundo até 2020, gerando apenas 2 milhões de novos postos de trabalho.

    O pesquisador do Ibre-FGV, porém, vê um lado positivo na substituição, a necessidade de programas de qualificação da mão de obra, permitindo que mais pessoas possam deixar emprego de baixa qualificação para outros com maiores exigências e mais seguros em termos de empregabilidade. O economista também observa que a automação não é um processo recente. Segundo Ottoni, ele existe desde o início da revolução industrial e ela tem ajudado na medida em que a qualidade de vida da humanidade aumentou muito.

    Para alcançar esse objetivo, o economista do Ibre-FGV ressalta a importância de se apoiar a criação de centros técnicos de excelência que possam capacitar esses novos trabalhadores. Ele diz que também é importante identificar quais serão as carreiras que terão maior demanda do ponto de vista da automação, assim como a avaliação desses programas de treinamento para identificar qual o tipo de sucesso que eles obtêm.

    Mais:

    Cientistas russos elaboram tecnologia que permite dirigir robôs no espaço
    Pequenos ajudantes da humanidade: robôs mais incríveis do que nunca
    Tags:
    Fórum Econômico Mundial, Instituto Brasileiro de Economia (Ibre-FGV), McKinsey, Bruno Ottoni, Mundo, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik