02:02 22 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Força Nacional nas eleições

    Força Nacional começa o combate à violência no Rio

    Fernando Frazão/Agência Brasil
    Brasil
    URL curta
    1636
    Nos siga no

    Agentes da Força Nacional começaram nesta segunda-feira (15) o combate à violência no Rio. São 300 homens que foram enviados pelo governo federal e que vão atuar no patrulhamento de rodovias do Rio de Janeiro.

    O envio da Força Nacional aconteceu após o pedido do governador Luis Fernando Pezão em conexão com os ataques de criminosos no início do mês, que deixaram nove ônibus incendiados na Avenida Brasil.

    A Sputnik Brasil conversou com exclusividade com o Coordenador da Comunicação Social da Polícia Militar, major Ivan Blaz, que falou sobre a atuação da Força Nacional no combate à violência no Rio de Janeiro.

    "O 41° batalhão da Polícia Militar, que é a unidade que atua nesta região, realmente sofre, assim como todas as unidades da Polícia Militar, com a escassez de efetivo. Então o número de homens a serem aplicados no policiamento preventivo é realmente um déficit que a Polícia Militar tem, não só naquela região, mas em todo o Estado do Rio de Janeiro nos tempos atuais", afirmou Blaz. 

    Segundo ele, a contribuição dos homens da Força Nacional será importante para realizar o policiamento preventivo. 

    Foi destacado que o principal objetivo do apoio da Força Nacional é coibir o roubo de veículos e cargas, que atualmente representa o tipo de crime que mais vem financiando o narcotráfico e a compra de armas pelos traficantes do Rio.

    "Já há alguns anos nós observamos que criminosos do tráfico de drogas vêm diversificando suas atividades econômicas e criminosas para outros segmentos […] Hoje já observamos que o roubo de carga, a revenda de material roubado, compõem, digamos assim, o leque de atividades criminosas que são responsáveis pelo financiamento dos marginais", acrescentou.  

    Os agentes vão ficar no Rio por um período de 90 dias, mas a vontade do governo do Estado é de que esse prazo ainda possa ser prorrogado.

    Tags:
    segurança, violência, Polícia Militar, Força Nacional, Luiz Fernando Pezão, Rio de Janeiro, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar