22:33 23 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    Morador de rua agredido em São Paulo

    Violência: Morador de rua implora por pertences e tem punho quebrado (VÍDEO)

    © Foto: Reprodução / Facebook
    Brasil
    URL curta
    211103220

    Um morador de rua foi alvo de agressões por parte de um guarda civil em São Paulo nesta quarta-feira. O homem não representava perigo, tampouco cometei algum delito, mas acabou tendo o pulso quebrado pela ação do agente de segurança.

    O caso viralizou nas redes sociais por conta de um vídeo de toda a ação, gravado pelo estudante de jornalismo Marcos Hermanson, que estava na área próxima à estação Conceição do metrô de São Paulo no momento da abordagem.

    Nas imagens, é possível ver Samir Ahamad, de 40 anos, sendo alvo de três agentes da Guarda Civil Metropolitana. Ele chega a levar uma rasteira de um deles, enquanto implora para que os agentes não retirem dele as suas coisas.

    “Não leva meus bagulhos, não. Eu não tenho nada”, diz Ahamad.

    De acordo com o site G1, o morador de rua começaria em um novo emprego como servente de pedreiro nesta quinta-feira, mas por conta do pulso quebrado ele não poderá assumir a função.

    Recentemente, a Prefeitura de São Paulo determinou o recolhimento de objetos deixados por moradores de rua pela cidade. Diante da repercussão, o prefeito João Doria (PSDB) considerou um “ato condenável” a atitude dos guardas municipais e pediu a investigação do caso.

    O agente envolvido na agressão ao morador de rua foi afastado “preliminar e temporariamente”, de acordo com a Guarda Civil Metropolitana. Ele pode ser autuado por abuso de autoridade e lesão corporal.

    Mais:

    Mesmo com violência, Brasil é visto como um lar por sírios refugiados da guerra
    Pesquisa: 70% dos brasileiros acha que policiais cometem excessos de violência
    Violência da PM paulista agora vai doer no bolso do Estado
    Tags:
    violência policial, violência, Guarda Civil Metropolitana, Samir Ahamad, São Paulo, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik