20:23 18 Junho 2018
Ouvir Rádio
    Comissão de Relações Exteriores (CRE) do Seando durante audiência sobre a situação da Rússia e seu papel na geopolítica mundial

    Em debate sobre a Rússia, Brasil é visto como pacificador de conflitos na Ucrânia e Síria

    Moreira Mariz/Agência Senado
    Brasil
    URL curta
    17104

    A Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional (CRE) do Senado discutiu no ciclo de debates "O Brasil e a ordem internacional: estender pontes ou erguer barreiras?" a situação da Rússia hoje e o seu papel na geopolítica mundial e o Brasil foi colocado como possível salvador da pátria em conflitos na Síria e Ucrânia.

    Durante a audiência pública que teve como tema "Sob o centro do czar: o papel da Rússia na geopolítica global", os palestrantes destacaram várias questões sobre a política externa do país, como por exemplo o conflito entre a Rússia e a Ucrânia, onde os especialistas defenderam uma solução pacífica para o assunto.

    A professora de economia da  Universidade de São Paulo (USP), Lenina Pomeranz, acredita que o Brasil pode ajudar a encontrar uma solução diplomática para o conflito.

    "O Brasil pode ajudar no contexto das Nações Unidas, fazendo relações amistosas, procurando intervir nas negociações e tendo uma posição muito clara. Ninguém deseja que o conflito se acirre e que nós cheguemos a uma situação de guerra."

    Os palestrantes analisaram também o fortalecimento da liderança de Putin e seu papel na condução da Rússia em eventos, como a guerra da Geórgia, em 2008, a anexação da Crimeia e o conflito com a Ucrânia, desde 2014, além da crise na Síria. Sobre a participação da Rússia na guerra da Síria, o professor  da Associação dos Diplomados da Escola Superior de Guerra (Adesg), Gustavo Trompowsky Heck, destacou a influência militar direta do presidente Vladimir Putin, causando o recuo da organização Daesh no conflito.

    "Ele (Putin) chegou e disse eu estou presente com o poder militar. Quando ele demostra claramente a sua presença na Síria, faz de uma forma absolutamente interessante. O recuo do Daesh na Síria e no Iraque se dá a partir do momento que a Rússia entra na chamada Guerra da Síria."

    Já o presidente da Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional, senador Fernando Collor (PTC-AL), destacou na audiência a importância do Brasil não se isolar do resto do mundo e cada vez mais promover uma maior abertura, destacando a aprovação da nova Lei da Migração no Senado. "Acabou de ser votado aqui no Senado e no Congresso Nacional a Lei da Migração. Uma lei que reestrutura inteiramente a antiga lei dos estrangeiros e que vem lá do século passado e que mostra o país o Brasil como um país fraterno e amigo."

    Ainda durante a audiência pública, os palestrantes também debateram a questão da dependência da União Europeia ao gás natural russo, e as implicações do relacionamento do presidente da Rússia, Vladimir Putin com o novo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. Os especialistas ainda defenderam uma maior aproximação dos grandes líderes ocidentais em relação à Rússia, defendendo a construção de uma cooperação internacional que respeite os interesses de todos os lados. No caso da Rússia, os participantes da audiência pública acham necessário o fim da manutenção de bases navais na regiões da Crimeia e na Síria.

     

     

    Tags:
    pacificação, globalização, geopolítica, conflitos, abertura, Associação dos Diplomados da Escola Superior de Guerra (Adesg), Universidade de São Paulo (USP), Gustavo Trompowsky Heck, Lenina Pomeranz, Fernando Collor, Vladimir Putin, Crimeia, Síria, Ucrânia, Rússia, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik