21:02 21 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    Venezuelanos em Roraima

    Crise da Venezuela cruza a fronteira e invade o Brasil

    Schneyder Mendoza/AFP
    Brasil
    URL curta
    4040361011

    A chegada cada vez em maior número de venezuelanos a Roraima, Estado que faz fronteira com a Venezuela, está criando sérias dificuldades para as autoridades locais.

    Saúde e educação, de acordo com a secretária extraordinária de Relações Internacionais do Governo de Roraima, Veronica Caro, são os setores que mais preocupam, já naturalmente sobrecarregados com a população local.

    Diante do cada vez maior número de venezuelanos em Roraima, a ONG Human Rights Watch (HRW) divulgou um relatório em que pede às autoridades federais para conceder recursos adicionais ao Estado, de modo a fazer face ao atendimento tanto aos roraimenses quanto aos venezuelanos que não param de cruzar a fronteira.

    A Human Rights Watch estima que, desde 2014, 12 mil venezuelanos entraram em Roraima, porém Veronica Caro diz que não é possível citar um número exato. Nesta quarta-feira, 19, a secretária de Relações Internacionais participou de uma reunião com a Polícia Federal e perguntou se a instituição dispunha de números. A resposta que recebeu foi de que não é possível estabelecer uma cifra exata, já que entre os migrantes da Venezuela há indígenas (que não passam por controle de fronteira), transitórios – os que vão para Roraima (e, em especial, à cidade fronteiriça de Pacaraima) apenas para comprar os gêneros básicos que não encontram mais na Venezuela – e os que chegam com a intenção de ficar. Veronica Caro acrescentou que, caso haja uma insistência por números, deve-se calcular algo entre 7 mil e 10 mil venezuelanos em Roraima.

    Em entrevista exclusiva à Sputnik Brasil, Veronica Caro diz ainda que "a Venezuela está vivendo uma situação muito delicada", o que explica os deslocamentos de venezuelanos para Roraima, mas a secretária destaca que, mesmo com toda esta massa de migrantes, jamais ouviu qualquer cogitação de que o Brasil poderia fechar a fronteira com a Venezuela.

    Na segunda-feira, 17, a Governadora Suely Campos (PP) afastou-se do comando do Executivo de Roraima. Seu cargo está sendo exercido pelo vice-governador Paulo César Quartiero (DEM). Informações divulgadas pela mídia, no início desta semana, dão conta de que Quartiero pediu à Polícia Militar que reforce a segurança na fronteira a fim de evitar que mais venezuelanos entrem em Roraima através do município de Pacaraima. Quartiero teria dito, ainda segundo a mídia, que "a nossa prioridade é Roraima, o habitante de Roraima. Este que paga nosso salário. Nós temos que atender ele. A questão humanitária tem a ONU, tem nações ricas que podem ajudar. Nós estamos no limite."

    Mais:

    FMI: inflação na Venezuela excederá 2.000% no próximo ano
    Venezuela: 60 pessoas ficaram feridas durante protestos contra o governo em Caracas
    Tropas da Força Nacional chegam no Amazonas e em Roraima para segurança de presídios
    Tags:
    fome, educação, saúde pública, indígenas, migrantes, migração, crise econômica, Polícia Federal - PF, Human Rights Watch, Suely Campos, Roraima, Venezuela, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik