20:27 20 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Plenário da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), 6 de dezembro de 2016

    PF está prestes a cumprir mandado de condução coercitiva contra presidente da Alerj

    © Sputnik / Renan Lúcio
    Brasil
    URL curta
    471
    Nos siga no

    A Polícia Federal está nas ruas para cumprir os mandados de prisão contra cinco conselheiros e um ex-conselheiro do Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro, informa o G1.

    Jorge Picciani, presidente da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), é alvo de mandado de condução coercitiva.

    Esta medida faz parte da Operação Quinto do Ouro, que investiga desvios para favorecer membros do Tribunal de Contas e da Alerj. A base para cumprimento dos mandados foi a delação de Jonas Lopes, ex-presidente do TCE/RJ, que fez um acordo com a Procuradoria-Geral da República. Os mandados estão sendo cumpridos no Rio, em Duque de Caixas e em São João do Meriti.

    Como informa o G1, citando a PF, se trata de um esquema de propina, que pode ter desviado até 20% dos contratos com órgãos públicos para autoridades públicas, sobretudo membros do Tribunal de Contas do Rio de Janeiro e da Assembleia Legislativa do Estado.

    Da operação participam cerca de 200 policiais. Os mandados foram expedidos pelo ministro Félix Fischer, do Superior Tribunal de Justiça.

    A PF tem mais de 40 mandados, entre os quais de prisão, tendo sido decretados arrestos de bens, buscas e apreensões.

    Jonas Lopes, por sua parte, foi levado à depor na PF no decurso da Operação Descontrole, que investiga crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro realizadas pelo ex-presidente do TCE-RJ e pessoas ligadas a ele.

    Mais:

    'Pacote de maldades' enfrenta resistência dos servidores na Alerj (FOTOS, VÍDEO)
    Alerj aprova aumento de ICMS e oposição quer anular votação
    Alerj adia votação sobre bilhete único, mas aprova alguns projetos do pacote fiscal
    Tags:
    detenção, polícia, mandato, ALERJ, Polícia Federal, Rio, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar