03:24 22 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    Edifício-sede da Petrobras no Rio de Janeiro

    Em nova fase da Lava Jato, ex-chefe da Petrobras é preso

    MIRO NUNES / AFP
    Brasil
    URL curta
    545811

    No âmbito da 39ª etapa da operação Lava Jato, a Polícia Federal deteve nesta terça-feira (28) o ex-gerente da estatal, Roberto Gonçalves.

    Hoje, Gonçalves deveria cumprir seis mandados no Rio de Janeiro, sendo que o mandado de prisão preventiva era para o Rio, mas, segundo comunicou o portal G1, acabou por ser preso no município brasileiro de Boa Vista, na capital do estado de Roraima. Porém, os delegados afirmam que não há indícios de que o acusado estivesse tentando fugir, tomando em conta que tem familiares em Roraima.

    O engenheiro Roberto Gonçalves sucedeu a Pedro Barusco na gerência de serviços da Petrobras. O delegado Roberson Pozzobon, assegura que na sucessão do cargo também se passou o "bastão da propina".

    De acordo com os dados da Polícia Federal, na época o ex-gerente usou vários offshores no território chinês e nas Bahamas para desviar o valor da propina paga. Além disso, Gonçalves dispunha de outras contas offshore que usava para receber as vantagens, afirmou Roberson Pozzobon, Procurador da República que integra a força-tarefa da Operação Lava Jato, tendo os recebimentos somado 5 milhões de dólares.

    Basta ressaltar que entre os anos 2013 e 2014, Gonçalves efetuou depósitos em 5 contas diferentes na Suíça, sendo uma delas pertencente ao diretor executivo da Odebrecht, Rogério Araújo, que emprestou a conta ao ex-gerente do Serviço da estatal para que este lhe pagasse a respetiva propina.

    Basta relembrar que, em novembro de 2015, Roberto Gonçalves já fora temporariamente preso no âmbito da operação Lava Jato, negando, porém, ter quaisquer contas no exterior. A fase atual da investigação, por sua vez, adquiriu um caráter mais sério com as autoridades suíças comprovando o fato de corrupção. Foi graças a isso que a PF solicitou a prisão preventiva de Gonçalves.

    Mais:

    Lava Jato: só um ano depois de denúncia, Supremo manda PF ouvir parlamentares citados
    Lava Jato quer que Cunha reponha US$77,5 mi à Petrobras como parte de condenação
    Gilmar Mendes faz novas críticas sobre investigação de vazamentos da Lava Jato
    Tags:
    propina, corrupção, Operação Lava Jato, Roberson Pozzobon, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik