12:26 06 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Plenário do STF analisa processos sobre impeachment da presidenta Dilma Rousseff

    Procurador-geral pede abertura de inquérito contra 83 políticos citados pela Odebrecht

    Antonio Cruz/ Agência Brasil
    Brasil
    URL curta
    19210
    Nos siga no

    O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pediu a abertura de inquérito contra 83 ministros e parlamentares citados na delação da Odebrecht.

    O pedido de abertura de inquérito foi enviado ao STF pelo fato de que os 83 políticos citados possuem foro privilegiado, o que garante com que eles só possam ser investigados pelo Supremo. 

    Os nomes dos envolvidos não foi revelado por conta do caráter sigiloso da solicitação. O procurador-geral pediu, entretanto, a retirada do sigilo em nome da transparência e do interesse público.

    O novo relator da Lava Jato no STF, ministro Edson Fachin, é quem avaliará se libera ou não as investigações contra os políticos citados na chamada "nova lista do Janot".

    "Não é possível divulgar detalhes sobre os termos de depoimentos, inquéritos e demais peças enviadas ao STF por estarem em segredo de Justiça. Rodrigo Janot pediu ao relator do caso no STF, ministro Edson Fachin, a retirada do sigilo desse material considerando a necessidade de promover transparência e garantir o interesse público", informa o Ministério Público Federal em nota divulgada. 

    Além dos pedidos de abertura de inquérito, Janot enviou 211 solicitações de trechos das delações que citam pessoas sem foro privilegiado para investigações em outras instâncias. 

    Mais:

    Ex-diretores da Odebrecht depõem hoje no TSE em ações da chapa Dilma-Temer
    Marcelo Odebrecht confirma propina de R$120 mi a chapa Dilma-Temer em 2014
    República Dominicana pede que ONU investigue subornos da Odebrecht
    Tags:
    delação premiada, corrupção, delações, Operação Lava Jato, Odebrecht, Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Edson Fachin, Rodrigo Janot, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar