23:27 21 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Economistas afirmam que dívida pública continuará crescendo e recuperação da economia será lenta

    Economistas afirmam que mesmo com reformas recuperação da economia será lenta

    Edilson Rodrigues/Agência Senado
    Brasil
    URL curta
    1613

    Economistas de São Paulo, Rio e de Brasília discutiram nesta segunda-feira (13) a situação da economia brasileira no Instituto Fiscal Independente (IFI). Eles afirmam que mesmo com a aprovação das reformas propostas pelo governo Temer, a recuperação da economia vai ser lenta.

    Para todos os especialistas, sem a aprovação da idade mínima na Reforma da Previdência, o Brasil dificilmente vai conseguir retomar o controle das contas públicas.

    De acordo com Felipe Salto, diretor do Instituto Fiscal Independente, que é um órgão ligado ao Senado, a dívida pública ainda vai crescer mais pelos próximos anos. O diretor do IFI, ressaltou que apenas aplicar a Emenda do Teto dos Gastos Públicos não vai ser suficiente para tirar o país do vermelho. Felipe Salto avalia que se não houver as modificações necessárias no sistema previdenciário, a situação econômica do Brasil pode não ter mais controle.

    "Nós descemos fundo no poço. Nós ainda estamos no fundo do poço, engatinhando, começando a ensaiar uma recuperação. Sem a reforma da previdência e, sobretudo a fixação da idade mínima, vai ser muito difícil o país voltar ao equilíbrio das contas públicas, ao saneamento das contas do governo."

    Já para o economista Yoshiaki Nakano, da Escola de Economia da Fundação Getúlio Vargas, somente após a aprovação das reformas fiscais, incluindo a da Previdência é que o país poderá dar um rumo melhor para a economia do país. "A perspectiva de recuperação é muito lenta, e não vemos ainda nenhum sinal claro de como a economia brasileira vai retomar realmente o crescimento."

    Alguns dos especialistas destacaram que o corte na taxa básica de juros ao longo de 2017 vai ajudar na atividade econômica, porém, o ajuste nas contas públicas é fundamental para dar a sustentabilidade para a retomada do crescimento econômico no Brasil.

     

     

    Tags:
    economistas, reforma da previdência, reformas, economia, recuperação, Instituto Fiscal Independente (IFI), Yoshiaki Nakano, Felipe Salto, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar