12:57 22 Novembro 2017
Ouvir Rádio
    Soldados do exército patrulham as ruas de Vitória (ES)

    Forças Armadas deixam o Espírito Santo. E agora?

    Tânia Rêgo / Agência Brasil
    Brasil
    URL curta
    746030

    Entre 8 de fevereiro e 8 de março, o Espírito Santo teve a presença de militares do Exército e da Marinha nas ruas de Vitória e de outras cidades. A presença dos militares foi solicitada ao Governo Federal pelo Estadual devido à paralisação dos policiais militares.

    Considerando que há 7 anos os PMs do Espírito Santo não recebem aumento de salário e que o Governo Estadual não tem atendido às sucessivas reivindicações de reajuste, alegando falta de recursos, mulheres dos policiais militares posicionaram-se diante dos batalhões, impedindo a saída de viaturas para o patrulhamento diário.

    Espírito Santo vive clima de guerra
    Tânia Rêgo/Agência Brasil

    Na ausência do policiamento ostensivo, a criminalidade tomou conta de ruas, praças e avenidas, realizando diversos ataques até que, com a chegada dos militares, as ocorrências começaram a diminuir.

    O Governo Federal deixou claro para o do Espírito Santo que a permanência das Forças Armadas no Estado seria provisória, e que os militares seriam retirados, impreterivelmente, em 8 de março, o que de fato aconteceu.

    Para o presidente do Sindicato dos Investigadores da Polícia Civil do Espírito Santo, Walace Simonassi Borges, a presença dos militares nas ruas foi muito importante:

    "A população teve a nítida sensação do aumento de segurança, o que foi de grande valia. Do ponto de vista da cooperação com os policiais, o trabalho dos militares também foi muito proveitoso, pois com o auxílio das tropas, dos seus veículos e equipamentos, pudemos realizar diversas operações contra a criminalidade. Por exemplo, os blindados do Exército e da Marinha foram essenciais para o êxito de várias dessas operações."

    No entanto, Walace Simonassi Borges lembra que as Forças Armadas cumpriram seu papel de apoio aos policiais militares e civis, mas destaca:

    "Segurança pública é para ser feita por policiais que têm treinamento e preparo para isso. Os militares têm outro tipo de formação: eles são treinados para defender o Estado contra invasões e ataques inimigos. Portanto, são coisas completamente distintas."

    O investigador também lembra que o número de ocorrências criminais passou a cair depois que os policiais militares retomaram o trabalho de policiamento ostensivo:

    "No início e durante a paralisação, chegamos a registrar 200 homicídios em função do aumento da violência. Mas, à medida que a PM foi voltando para as ruas, as ocorrências criminais passaram a diminuir e a população começou a recuperar a tranquilidade."  

    Mais:

    Tropas da Força Nacional chegam no Amazonas e em Roraima para segurança de presídios
    Força Nacional vai reforçar segurança de prisões em três estados
    Espírito Santo inicia demissões de PMs grevistas
    Tags:
    violência urbana, segurança pública, exército brasileiro, policiamento ostensivo, polícia militar, segurança nacional, Polícia Civil, Vitória, Espírito Santo, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik