21:47 16 Fevereiro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    11171
    Nos siga no

    Diante de um quadro de crise no Sistema Único de Saúde (SUS), um grupo de médicos de várias especialidades comprometidos com a saúde da população e com o SUS se uniu e criou o movimento social "Rede Nacional de Médicas e Médicos Populares".

    Os profissionais defendem o atendimento médico gratuito e de qualidade para todos os cidadãos e que a medicina não deve estar a cargo de interesses financeiros.

    Em entrevista para a Sputnik Brasil, um dos coordenadores do movimento no Rio de Janeiro, o médico Renato Penha de Oliveira Santos explicou que o movimento social surgiu em 2014 diante das discussões das eleições presidenciais e de uma necessidade de lutar pela permanência do programa Mais Médicos, do Governo Federal, que possibilitou a ampliação do atendimento em favelas, periferias e regiões com altos índices de pobreza, através das Clínicas de Família. A partir do programa a classe médica se dividiu entre os que defendiam a saúde pública e os que defendiam os interesses privados. "Nós percebemos que estava um clima de polarização política e dentro da categoria médica teve posicionamentos muito conservadores, contrário ao programa Mais Médicos e posicionamentos não muito em prol da defesa da saúde pública. Um grupo de médicos ligados a movimentos sociais, como o próprio Movimento dos Sem-Terra começaram a se reunir para fazer um contraponto a esse conservadorismo."

    Dr. Renato (de blusa listrada) junto a outros profissionais de saúde atuando na Clínica da Família Aloysio Augusto Novis no RJ
    Arquivo Pessoal/Renato Santos
    Dr. Renato (de blusa listrada) junto a outros profissionais de saúde atuando na Clínica da Família Aloysio Augusto Novis no RJ

    Segundo o médico, a ideia da Rede é unir forças entre esses profissionais que atuam no SUS não só para o atendimento à população, mas também discutir, participar de mobilizações e apresentar propostas para o fortalecimento do setor da saúde no país.

    "Eles trabalham para o Sistema Público de Saúde e defendem que o Sistema seja fortalecido, que todos tenham acesso ao Sistema e que esse acesso seja de qualidade, que esse atendimento consiga atender a todas as expectativas da população, que teoricamente isso já está garantido na Constituição Brasileira de 1988. No entanto, na prática percebemos muitas dificuldades para executar isso."

    Renato destaca ainda a importância de muitos desses profissionais que além do seu trabalho diário como médicos atendendo as doenças da população, lutam para que a saúde pública seja vista de forma mais ampla, envolvendo o cidadão,com o ambiente social e político onde ele vive. O médico citou como exemplo o trabalho realizado por médicos que foram auxiliar no atendimento às famílias da cidade de Mariana, em Minas Gerais que sofreu uma catástrofe ambiental, com o rompimento da barragem da mineradora Samarco.

    "Muitos desses médicos são ativistas políticos, são militantes de movimentos sociais e muitos outros viram a necessidade de se organizar frente a esse verdadeiro desmonte que vem sofrendo as políticas públicas no Brasil. Muitos desses médicos além de fazer o atendimento na rede pública e eventualmente em convênios com a rede privada, eles sempre estão participando de fóruns, debates, escrevendo textos, fazendo reuniões, dando apoio para movimentos sociais. Um exemplo disso foi o desastre de Mariana em que foi uma brigada de médicos para lá ajudar a fazer um diagnóstico sanitário do local, os impactos que teve na saúde daquela população e que políticas públicas poderiam ser construídas para enfrentar aquela dificuldade. Com isso, nós acabamos capilarizando mais os nossos trabalhos."

    Para Renato a população precisa defender as políticas públicas e assim como esses médicos que compõem a Rede Nacional de Médicas e Médicos Populares lutar contra os retrocessos sociais e defender a democracia. "Nós entendemos que a sociedade precisa defender as políticas públicas, defender que o Estado esteja a serviço de todos, mas principalmente dos menos favorecidos, dos excluídos e nesse sentido a saúde pública é primordial, tendo uma noção de que a saúde não é única e exclusivamente ter uma rede assistencial de saúde com os postos funcionando, com os hospitais, os centros de atendimento psicossocial, mas também significa ter políticas de saneamento básico,que as pessoas tenham a possibilidade de ter lazer, transporte público de qualidade, uma alimentação saudável. Todos esses aspectos, nós consideramos que sejam fundamentais para nós temos uma sociedade mais saudável."

     

    Tags:
    SUS - Sistema Único de Saúde, defesa, Mais Médicos, Rede Nacional de Médicas e Médicos Populares, Renato Penha de Oliveira Santos, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar