10:10 18 Novembro 2017
Ouvir Rádio
    Esta foto de 5 de outubro de 2014 mostra o então ex-presidente Lula da Silva junto com sua mulher, Dona Marisa Letícia, após votar nas presidenciais

    'Golpistas vão se apressar para tirar Lula do páreo', diz presidente da CUT-GO

    © AP Photo/ Nelson Antoine
    Brasil
    URL curta
    1971759215

    Segundo pesquisa do instituto MDA encomendada pela Confederação Nacional do Transporte (CNT), Lula é o candidato mais forte para as eleições de 2018. A perspectiva da volta do líder popular, porém, apressará a votação do pacote de maldades e as tentativas dos 'golpistas' de incriminar o petista, segundo o presidente da CUT de Goiás, Mauro Rubem.

    “A grande preocupação para poder dar uma sobrevida ao golpe é tirar o Lula de cena”, disse Rubem em entrevista à Sputnik, destacando que todas as investigações contra o ex-presidente têm sido “politiqueiras”, “manipuladas” e “não provam nada”.

    Na opinião de Rubem, existem quatro “questões centrais para o governo golpista no curto prazo”: a mudança na Constituição com a PEC 55 – que “envolve a transferência de bilhões de reais para o setor agiota brasileiro e internacional” –, a reforma da Previdência, a reforma trabalhista e a “mexida na riqueza brasileira”, no que diz respeito principalmente à desvalorização da Petrobrás e à venda do pré-sal.

    “Lula é o único que pode fazer com que a massa trabalhadora e o conjunto da sociedade possam virar e prestar atenção [ao fato de] que estão sendo assaltados, estão sendo roubados. Seus filhos, seus netos estão sendo roubados”, afirma Rubem. 

    Segundo ele, o ex-presidente tem que ir às ruas e “levantar as massas” para “compensar o monopólio dessa mídia nojenta e suja que está a manipular as ideias do povo”.

    O petista lidera as intenções de voto tanto no primeiro quanto no segundo turno, contra todos os outros possíveis candidatos, segundo a pesquisa CNT-MDA. Nos três cenários propostos, Lula ganharia com folga sobre o ex-ministro Ciro Gomes, o atual presidente Michel Temer, a ex-senadora Marina Silva e o deputado Jair Bolsonaro. 

    Ainda de acordo com o estudo, 44% dos entrevistados consideraram de forma negativa o governo Temer, contra 10,3% que o avaliaram como positivo e quase 39% como regular. Segundo Rubens, a queda de popularidade do peemedebista tem razões claras:

    “É um escárnio o que esses golpistas estão fazendo no país”, disse Rubem, referindo-se particularmente à recente nomeação de Alexandre de Moraes, “o advogado do PCC [Primeiro Comando da Capital]”, para o Supremo Tribunal Federal, e às medidas do governo Temer para o “desmonte do Estado” e dos direitos sociais.

    A pesquisa CNT-MDA ouviu 2.002 pessoas, em 138 municípios nas 25 unidades federativas, das cinco regiões do país, entre os dias 8 e 11 de fevereiro.  

    Mais:

    Temer visita Lula no hospital e é recebido aos gritos de 'assassino' e 'golpista' (VÍDEO)
    'Saudade do meu ex': Nostalgia da era Lula ganha clipe e viraliza na internet (VÍDEO)
    PT denuncia requinte de ódio na perseguição a Lula
    Governo brasileiro pede à ONU que denúncia de Lula seja desconsiderada
    Tags:
    pré-sal, reforma trabalhista, reforma da previdência, PEC 55, pacote de maldades, prisão, eleições 2018, intenção de voto, pesquisa, Central Única dos Trabalhadores (CUT), Petrobrás, PT, MDA, CNT, Mauro Rubem, Jair Bolsonaro, Ciro Gomes, Marina Silva, Alexandre de Moraes, Michel Temer, Lula, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik