12:53 14 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Soldados das Forças Armadas patrulham as ruas de Vitória durante protestos contra a paralisação da PM

    Forças Armadas assumem controle da segurança no ES

    Tânia Rêgo / Agência Brasil
    Brasil
    URL curta
    1460

    O governador em exercício do Espírito Santo, César Colnago (PSDB), e o Secretário de Segurança Pública, André Garcia, assinaram um decreto transferindo o comando da segurança no estado para as Forças Armadas, em meio ao caos gerado pela paralisação dos policiais militares, iniciada no último sábado.

    Exigindo reajuste salarial e melhores condições de trabalho, familiares dos policiais (que não estão autorizados a fazer greve) bloqueiam há dias as saídas dos batalhões, impedindo que eles trabalhem. Com a ausência dos agentes nas ruas, o número de saques, assaltos e mortes aumentou rapidamente, forçando o governo a pedir ajuda do Exército e da Força Nacional para conter a violência. De acordo com o decreto publicado hoje no Diário Oficial, a Força-Tarefa Conjunta, comandada pelo general de brigada Adilson Carlos Katibe, ficará responsável pela situação até o próximo dia 16. 

    Na manhã desta quarta-feira (08), o governador licenciado do Espírito Santo, Paulo Hartung, criticou duramente a postura da Polícia Militar, afirmando que a greve da categoria é ilegal e inconstitucional. 

    "É uma chantagem o que está acontecendo no Espírito Santo. E se nós, capixabas e brasileiros, não enfrentarmos de frente, hoje isso acontece aqui no estado e, amanhã, no restante do Brasil. Isso é chantagem aberta", disse Hartung em coletiva de imprensa na Residência Oficial do Governo (Resof).

    Em protesto pela morte de um colega e também em apoio ao movimento dos PMs, policiais civis do Espírito Santo decidiram paralisar suas atividades no início desta tarde, prometendo retomar os trabalhos à meia-noite. A mobilização, organizada pelo Sindicato dos Policiais Civis (Sindipol), não configura estado de greve, conforme esclareceu o próprio órgão por meio de nota. 

    "O Sindicato dos Policiais Civis do Espírito Santo (Sindipol/ES) esclarece que os profissionais da Polícia Civil NÃO estão em GREVE. Nesta quarta-feira (08), houve uma mobilização entre os policiais civis pela morte do investigador Mario Marcelo de Albuquerque, o Marcelinho, assassinado ao tentar conter um assalto em Colatina, noroeste do estado. Os policiais se reuniram na Chefatura de Polícia e saíram em carreata até o Quartel da Polícia Militar, declarando apoio ao movimento dos familiares e amigos dos PMs", diz o documento.

    Amanhã, às 13h, o Sindipol deverá realizar uma assembleia para decidir o que fazer sobre a situação no estado. 

    "O Sindipol/ES entende as consequências da paralisação dos policiais militares, mas pede à sociedade que cobre o Governador Paulo Hartung pelos anos de desvalorização e pela falta de investimentos na Polícia Civil e Polícia Militar do Espírito Santo".

    Mais:

    Espírito Santo: Já é o caos, mas pode piorar
    Calamidade pública: Governo autoriza Forças Armadas no Espírito Santo
    Tags:
    polícia, greve, Mario Marcelo de Albuquerque, Adilson Carlos Katibe, Paulo Hartung, Vitória, Brasil, Espírito Santo
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik