14:44 07 Julho 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    512028
    Nos siga no

    O Ministério das Relações Exteriores do Brasil emitiu nota oficial sobre a questão surgida entre Estados Unidos e México a propósito da construção do muro entre os dois países. A propriedade da ação brasileira é contestada.

    Provocou intensa repercussão internacional o anúncio feito pelo Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, da construção de um muro com mais de 2 mil quilômetros de extensão na fronteira com o México, com os custos da obra atribuídos ao Governo mexicano.

    O Presidente Enrique Peña Nieto se nega terminantemente a pagar a conta, enquanto Donald Trump insiste em dizer que, "de alguma forma, os mexicanos arcarão com esses custos". Irritado, Peña Nieto cancelou a viagem que faria aos Estados Unidos na terça-feira, 31, e Trump, por sua vez, respondeu que, se a conversa entre os dois líderes não girar em torno do pagamento do muro pelo Governo mexicano, Nieto pode ficar em seu país.

    A propósito deste antagonismo, surgido durante a campanha eleitoral e ratificado por Donald Trump na sua primeira semana como presidente dos Estados Unidos, o Ministério das Relações Exteriores do Brasil emitiu nota oficial, dizendo esperar por uma solução de diálogo entre Estados Unidos e México.

    Diz a nota do Itamaraty, emitida nesta sexta-feira:

    "A grande maioria dos países da América Latina mantém estreitos laços de amizade com o povo dos Estados Unidos. Por isso, o Governo brasileiro recebeu com preocupação a ideia da construção de um muro para separar nações irmãs do nosso continente sem que haja consenso entre ambas. O Brasil sempre se conduziu com base na firme crença de que as questões entre povos amigos – como é o caso de Estados Unidos e México – devem ser solucionadas pelo diálogo e pela construção de espaços de entendimento."

    Sobre a questão surgida entre Estados Unidos e México e o posicionamento do Governo brasileiro a respeito do assunto, Sputnik Brasil ouviu Roberto Abdenur, que foi embaixador brasileiro na Áustria, China, Alemanha, Equador e EUA. O diplomata criticou a nota oficial e disse que o Brasil não precisaria ter se envolvido nessa questão que, a seu ver, é estritamente bilateral:

    "Eu acho essa ideia do muro estapafúrdia. É uma ideia que, realmente, não faz sentido para a maior parte dos observadores. Ela não é necessária. Agora, temos de reconhecer que está no direito soberano do Governo americano fazer o muro. Além disso, é estapafúrdia a ideia de que uma medida tão negativa para os interesses do México seja financiada, seja paga, pelo próprio México. Isso é uma coisa que vai longe demais."

    O Embaixador Roberto Abdenur acrescenta sobre a nota do Itamaraty:

    "Eu diria que não a considero oportuna, porque, com isso, nós entramos numa disputa, num desentendimento estritamente bilateral entre os Estados Unidos e o México. Eu entendo que tenhamos um certo impulso de solidariedade com um outro país latino-americano quando ele se vê humilhado por essas posturas do Governo Trump, mas, ao fazer política externa, nós precisamos ser muito frios, muito cuidadosos, muito comedidos, muito objetivos, e separar a avaliação objetiva dos interesses nacionais de impulsos digamos emocionais, que tendem a nos levar a fazer coisas que, no final das contas, não resultam positivas para o Brasil. Esse é um problema estritamente bilateral entre Estados Unidos e México, e que não nos afeta."

    Em relação à possibilidade de Donald Trump tomar medidas de retaliação à posição tomada com a nota do Itamaraty, o Embaixador Abdenur comenta:

    "O Brasil não é um país que esteja na mira do Governo Trump. A área comercial, por exemplo, é uma das duas grandes áreas de desentendimento entre Estados Unidos e México. A primeira área é a da imigração ilegal. O Brasil é hoje um dos poucos países com os quais os Estados Unidos têm superávit, pouco menos de 700 milhões de dólares. Portanto, não há razões maiores para que o Governo Trump acesse sua mira contra o Brasil. Ao soltar essa nota oficial, nós corremos o risco, sim, de causar irritação a um governo imprevisível e emocional, e isso pode provocar alguma atitude prejudicial aos nossos interesses com os Estados Unidos."

      

    Já para a professora de Relações Internacionais Denilde Holzhacker, da Escola Superior de Propaganda e Marketing, em São Paulo, a nota oficial emitida pelo Governo brasileiro tem méritos. Especialista em políticas das 3 Américas, Denilde Holzhacker sustenta que há vários aspectos a considerar, inclusive o temperamento do novo presidente dos Estados Unidos:   

    "Trump é imprevisível. Nós sabemos que ele tem um grande problema em receber críticas. Então, essa nota oficial do Governo brasileiro, que é bem ponderada, é uma nota que mostra que a preocupação não é só do Brasil mas de todos os países da América Latina pela forma como Trump vem tratando o México. Trump demonstra um alto grau de conflito, que pode afetar todos os demais países. Mas Trump, a cada crítica que recebe, tende a apresentar reações agressivas e defensivas. De modo que é preciso acompanhar [a situação] para saber qual vai ser a reação dele. Por outro lado, acredito que a nota teve um papel importante para o Brasil poder demonstrar não só a importância da América Latina nas suas relações internacionais, na sua política externa, como também é uma [demonstração de] solidariedade com os países latino-americanos, o que é uma tradição da política externa brasileira."

    Nesta sexta-feira, 27, a agência de notícias Associated Press revelou que os Presidentes Donald Trump e Enrique Peña Nieto conversaram por telefone por cerca de uma hora. O conteúdo da conversa não foi revelado, e tampouco foram divulgadas informações oficiais por parte dos Governos dos Estados Unidos e do México.

    Mais:

    Peña Nieto e Trump decidem não comentar mais decisões sobre muro em público
    Senado do México recomenda buscar aliados dentro dos EUA para conter Trump
    Tags:
    lei de migração, preconceito, política externa, muro, relações bilaterais, racismo, Denilde Holzhacker, Roberto Abdenur, Donald Trump, Enrique Peña Nieto, México, América Latina, EUA, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar