06:38 18 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Eike Batista, no centro, è visto em 18 de novembro de 2014 durante uma pausa em um tribunal do Rio de Janeiro

    Depois de Eike, até onde vai a Lava Jato?

    © AFP 2019 / Yasuyoshi Chiba
    Brasil
    URL curta
    Ascensão e queda: a prisão de Eike Batista (8)
    1420
    Nos siga no

    A decretação da prisão do megaempresário Eike Batista pelo Juiz Marcelo Bretas, da 7.ª Vara Federal Criminal do Rio de Janeiro, levou a Polícia Federal a deflagrar mais uma fase da Operação Lava Jato – a Operação Eficiência. Depois, o que virá?

    Além de Eike Batista, o advogado Flávio Godinho também teve prisão decretada. Ambos são acusados de corrupção ativa. Foram igualmente expedidos mandados de prisão contra Álvaro Novis, Sérgio de Castro Oliveira, Thiago Aragão e Francisco Assis Neto, todos relacionados a Eike Batista, que ainda não foi preso por se encontrar no exterior.

    Para o advogado criminalista Jonas Tadeu Nunes, professor de Prática Forense e de Direito Penal, estas ordens de detenção, dentro da Lava Jato, demonstram ser muito difícil estabelecer ou prever um prazo para o seu término.

    Jonas Tadeu comentou para a Sputnik Brasil:

    “Qual a origem destas prisões? O conteúdo de delações premiadas por parte de pessoas que estão presas e faziam parte do esquema criminoso apontado pelos membros do Ministério Público Federal. Ora, a cada delação homologada, a cada revelação de envolvimento de pessoas em atos ilícitos, começam uma nova investigação, um novo inquérito e um novo processo de apurações. Como os fatos se desdobram uns dentro dos outros, fica praticamente impossível prever o fim da Operação Lava Jato. Na minha opinião, ela atravessará todo o ano de 2017 e entrará, ainda, por 2018.”

    Fernando Martins, advogado de Eike Batista, disse à Polícia Federal e aos jornalistas que o empresário “está tranquilo e vai se entregar” ao retornar dos Estados Unidos. As informações são de que Eike viajou com passaporte alemão (ele possui dupla cidadania) e teria se hospedado na Trump Tower, em Nova York, no apartamento de um advogado do Rio de Janeiro.

    Já o advogado Sérgio Bermudes, que assiste Eike Batista nas causas cíveis, afirmou à imprensa que seu cliente está entre Nova York e Miami e viajou aos Estados Unidos para cuidar de um processo relacionado ao bloqueio de US$ 63 milhões em bens pela Justiça das Ilhas Cayman. A Justiça detectou a transferência desses valores a partir de uma instituição financeira dos Estados Unidos, e decidiu bloqueá-los por considerar sua origem suspeita.

    Por sua vez, a Polícia Federal acionou a Interpol para a detenção de Eike Batista e sua imediata repatriação para o Brasil. Em resposta, a Interpol ativou o alerta de “difusão vermelha”, estabelecendo prioridade absoluta para a prisão do empresário onde quer que ele se encontre.

    Tema:
    Ascensão e queda: a prisão de Eike Batista (8)
    Tags:
    foragido, Operação Lava Jato, Polícia Federal, Interpol, Jonas Tadeu Nunes, Eike Batista, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar