10:29 23 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Trabalho escravo

    Número de casos de trabalho escravo cai, mas esta não é uma boa notícia

    © Foto / Secretaria de Assistência Social e Direitos Humanos/Ministério Público do Trabalho
    Brasil
    URL curta
    411
    Nos siga no

    Embora redução no número de trabalhadores libertados seja de 32%, o motivo para a queda não é nada nobre.

    A Divisão de Fiscalização para Erradicação do Trabalho Escravo do Ministério do Trabalho divulgou hoje um relatório em que afirma que mais de 660 trabalhadores foram resgatados de condição análoga a de escravidão em 2016. O número representa uma queda de 34% em comparação com os 1010 libertados em 2015, mas não é uma boa notícia.

    Segundo o coordenador da Campanha de Prevenção e Combate ao Trabalho Escravo da Comissão Pastoral da Terra, Xavier Plassat, os números caíram porque a fiscalização também caiu. O coordenador afirma que nos últimos 14 anos, a média anual foi de 261 estabelecimentos fiscalizados, com base nos dados do departamento do Ministério do Trabalho. Já em 2016, foram 158 estabelecimentos fiscalizados.

    “Estão faltando mil fiscais, no mínimo, no plano nacional. Então, a capacidade de resposta é muito empobrecida. Quando a gente não procura o trabalho escravo, ele não vem sozinho se manifestar", afirmou Plassat em entrevista à Agência Brasil.

    Por meio da assessoria, o MTE disse que não tem conhecimento dos dados divulgados pela comissão e que não comentaria as informações.

    Tentativa de reversão

    O Nordeste registrou o maior número de casos, identificados pela CPT, de trabalhadores em situação análoga à escravidão, com 31% do total. Em seguida vêm o Norte (27%), Sudeste (26%), Centro-Oeste (12%) e Sul (3%). 

    Na tentativa de aumentar ainda mais o cerco à exploração, o Ministério da Justiça e Cidadania anunciou nesta quinta (26) o Pacto Federativo para Erradicação do Trabalho Escravo. O objetivo é promover a  articulação  entre  os entes  federados  nas  ações  de  erradicação  do  trabalho  escravo.

    *Com informações da Agência Brasil 

    Mais:

    Reforma trabalhista vai formalizar jornada de 12 horas
    Temer quer impulsionar agronegócio e defende reforma trabalhista para manter empregos
    Polêmica reforma trabalhista é aprovada na França
    Tags:
    Pacto Federativo para Erradicação do Trabalho Escravo, Campanha de Prevenção e Combate ao Trabalho Escravo, Divisão de Fiscalização para Erradicação do Trabalho Escravo, Comissão Pastoral da Terra, Ministério da Justiça e Cidadania, Ministério do Trabalho, Xavier Plassat, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar