08:40 19 Novembro 2017
Ouvir Rádio
    Ex-ministro do STF Teori Zavascki

    Teoria da conspiração? Redes sociais não engolem versão de 'acidente' sobre morte de Teori

    © AFP 2017/ Andressa Anholete
    Brasil
    URL curta
    Morte do ministro Teori Zavascki (13)
    427366351

    A morte do ministro relator da Lava Jato no STF, Teori Zavascki, na queda de um avião bimotor em Paraty dominou as redes sociais nesta quinta-feira (19). As redes sociais estão fervilhando com “teorias da conspiração” - e a mais improvável delas, segundo a maioria dos internautas, é a de que tudo não passou de “acidente”.

    Aos fatos: Zavascki foi indicado ao Supremo Tribunal Federal (STF) pela presidenta Dilma Rousseff, em 2012. Além de ter decidido pelo afastamento do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha em 5 de maio do ano passado, ele também criticou o juiz de primeira instância Sérgio Moro pela divulgação ilegal da interceptação telefônica entre a então presidenta Dilma e o ex-presidente Lula. O vazamento da gravação, entretanto, deu fôlego ao movimento pelo impeachment da petista.

    ​Em 26 de maio de 2016, o filho do ministro, Francisco Zavascki, publicou um texto no Facebook denunciando a existência de “movimentos dos mais variados tipos para frear a Lava Jato” e alertou:

    “Se algo acontecer com alguém da minha família, vocês já sabem onde procurar…”

    ​Três dias antes, vazou o áudio da conversa reveladora entre o senador Romero Jucá, atual presidente do PMDB de Michel Temer, e o delator Sérgio Machado, ex-presidente da Transpetro, a respeito de um “pacto” para “estancar a sangria” da Lava Jato.

    ​Na transcrição, Zavascki é descrito como alguém com quem os interessados em barrar a maior operação policial da história do Brasil não poderiam contar: “É um cara fechado, foi ela que botou” (em referência a Dilma), um “burocrata”.

    ​"Jucá", aliás, foi um dos trending topics do Twitter hoje, bem como "Odebrecht".

    "House of Cards" também voltou aos trending topics. 

    ​​No mês que vem, o ministro relator da Lava Jato homologaria e tornaria públicos as 77 delações premiadas dos executivos da cúpula da empreiteira Odebrecht, com consequências explosivas para inúmeras autoridades do Brasil e do exterior.

    ​Este tweet do advogado Adriano Argolo, aliás, foi publicado hoje de manhã, antes do acidente aéreo, e viralizou após as notícias sobre a morte de Zavascki:

    Posteriormente, após dizer que não era "adivinho", mas que apenas tinha "visão política", o autor se manifestou novamente no Twitter:

    ​​A Anac informou que a documentação do bimotor estava em dia, com o certificado válido até abril de 2022 e inspeção da manutenção, que é feita anualmente, válida até abril de 2017.

    O dono e operador da aeronave prefixo PR-SOM, modelo HawkerBeechcraft King Air C90, é o Hotel Emiliano, cujo dono, Carlos Alberto Fernandes Filgueiras, teria oferecido uma carona a Zavascki, que ia de São Paulo para Angra dos Reis, no Rio de Janeiro. O empresário também morreu no acidente, segundo informou a assessoria de imprensa do Grupo Emiliano.

    ​Dadas todas as circunstâncias, pode até ser que a queda do bimotor em que estava o ministro relator da Lava Jato tenha sido mesmo um acidente infeliz. Nas redes sociais, contudo, a impressão é de que esta é a possibilidade mais remota de todas. 

    Tema:
    Morte do ministro Teori Zavascki (13)

    Mais:

    Lava Jato: Teori sofre ameaças após privar Moro da investigação sobre Lula
    Teori Zavascki diz que Brasil está 'enfermo' e precisa de 'remédios amargos'
    Teori Zavascki está na lista de passageiros do avião acidentado em Paraty
    Confirmada a morte de Teori Zavascki em queda de avião em Paraty
    Tags:
    House of Cards, homologação, delações, delação premiada, teorias da conspiração, conspiração, sabotagem, redes sociais, Internet, política, acidente, queda, Supremo Tribunal Federal (STF), Odebrecht, Petrobras, Sérgio Machado, Sérgio Moro, Romero Jucá, Teori Zavascki, Lula, Eduardo Cunha, Dilma Rousseff, Paraty, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik