07:40 14 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Rogério Rosso, candidato à presidência da Câmara dos Deputados e o atual presidente Rodrigo Maia

    Candidato à Presidência da Câmara, Rogério Rosso diz que Brasil precisa de serenidade

    Andressa Anholete / AFP
    Brasil
    URL curta
    411

    "Nestes dois anos - 2017 e 2018 – a Câmara dos Deputados exercerá um papel muito importante para que o Brasil possa voltar a sorrir e ter mais esperanças. É por este motivo que desejo ser Presidente da Câmara." As palavras são de Rogério Rosso (PSD-DF), líder do seu partido na Câmara e um dos postulantes à sucessão de Rodrigo Maia (DEM-RJ).

    Falando à Rádio Sputnik Brasil, Rogério Rosso, ex-governador de Brasília e presidente da Comissão Especial que analisou o pedido de Impeachment da (então) Presidente Dilma Rousseff, afirmou que o Brasil está diante de um momento em que o Poder Legislativo precisa aprovar importantes matérias:

    "São matérias da agenda social, econômica e política que deverão retirar o Brasil dessa crise. Como diz o Ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, esta é a mais grave crise de todos os tempos, do ponto de vista econômico. Então, acredito que a condução desses próximos dois anos na Câmara dos Deputados necessite de serenidade, tranquilidade e bastante diálogo. O momento é o de reunir todas as forças políticas em torno do Brasil."

    Rogério Rosso também comentou a notícia divulgada pelo jornal Folha de São Paulo de que ele e o deputado Jovair Arantes (PTB-GO), também postulante à Presidência da Câmara, poderão formar uma chapa única para fazer frente às pretensões do atual Presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), de também participar do pleito:

    "Sou muito amigo do deputado Jovair Arantes, a quem conheci em 2015, e tenho um excelente diálogo com ele. E como sou um homem do diálogo, não me nego a debater com meus colegas parlamentares qual será a melhor solução para o Brasil."

    Rogério Rosso afirma ser contrário às pretensões de Rodrigo Maia:

    "A Constituição Federal, no parágrafo 4.º do artigo 57, proíbe a recondução ao cargo na eleição imediatamente subsequente. É uma simples questão de se interpretar o que diz a Lei Maior."

    Mais:

    Governo negocia com Maia retorno de contrapartidas na renegociação da dívida com estados
    Tags:
    reeleição, impeachment, Câmara dos Deputados, sucessão, DEM, PTB, PSD, Dilma Rousseff, Jovair Arantes, Rodrigo Maia, Rogério Rosso, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik