22:38 17 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Familiares de detentos se reúnem em frente à penitenciária em Manaus

    Secretário de Temer que defendeu mais chacina cai do cargo

    Marcio SILVA / AFP
    Brasil
    URL curta
    1462
    Nos siga no

    O secretário nacional da juventude, Bruno Júlio (PMDB), pediu a exoneração do seu cargo nesta sexta-feira (6), após a negativa repercussão dos seus comentários sobre o massacre no presídio de Manaus.

    Em entrevista ao Huffpost Brasil, o secretário naturalizou um dos maiores massacres em presídios da história do Brasil e ainda defendeu "uma chacina por dia".

    "Eu sou meio coxinha sobre isso. Sou filho de polícia, né? Tinha era que matar mais. Tinha que fazer uma chacina por semana", disse ele, ao comentar a rebelião em Manaus que resultou na morte de 56 presos. 

    O Palácio do Planalto informou que a saída de Júlio do cargo foi por pedido do próprio secretário e que o presidente Michel Temer já aceitou a demissão. 

    Foram 56 presos mortos na rebelião que durou mais de 17 horas no Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), em Manaus (AM), no domingo (1º), se tornando o terceiro maior massacre em presídios da história do Brasil. 

    Mais:

    Secretário de Temer sobre massacre em presídio: 'Tinha era que matar mais'
    ONU pede investigação imediata do massacre no presídio de Manaus
    Tags:
    secretário, rebelião, chacina, presídio, massacre, PMDB, Bruno Júlio, Michel Temer, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar